Poema — Jorge de Lima

Também há naus que não chegam
Mesmo sem ter naufragado
Não porque nunca tivessem
Quem as guiasse no mar
Ou não tivessem velame
Ou leme ou âncora ou vento
Ou porque se embebedassem
Ou rotas se despregassem
Mas simplesmente porque
Já estavam podres no tronco
Da árvore de que as tiraram

Ashland, Oregon – Copyright©2006 Rainer Brockerhoff

Folhinha Poética

Clique na imagem

Jorge Carlos Amaral de Oliveira, o Mané do Café:

O blog Poemança, da Folhinha Poética chegou às cem mil visualizações (equivalente a um Maracanã em dia de Fla-Flu, no tempo em que o Maracanã era do povo), em oitenta e três países. Em se tratando de um blog de poesia, dá-nos um alento e tanto. A todos os colaboradores, o nosso sincero agradecimento.

Aplausos, recomendamos!

A Folhinha Poética faz a poesia entrar na nossa vida de modo significativo:
liberta-nos da rotina
atiça-nos a fantasia
aproxima-nos do outro…

Erínias na Folhinha Poética: link.

Primavera — Haicai

Fredericksburg, Texas – Copyright ©2010 Rainer Brockerhoff

Vem flor vem hera
apesar de parente
é primavera

Copyright©2010 Maria Brockerhoff

2016

Antártida – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

 

 

 

Ano novo?
Depende
pra onde acenas
penas ou Athenas!

 

 

 

Copyright©2015 Maria Brockerhoff

Poema urbano e um destino trágico

Uma árvore delicada
quase frágil
presa à calçada
se cobre de pendões
amarelos…
iluminam a avenida
cheia de ruídos
e gente distraída
se enfeita
ignora a desfeita
dos desiludidos.
Os galhos floridos
sob a chuva
ou sol matutino
estão plenos abertos
prontos e certos…
Admirável
esse destino!

Copyright ©2013 Maria Brockerhoff

Dias depois…

Este belo e útil ser vivo renascerá das feridas?

Arte Poética — Mauro Mota

Elabora o poema como
a fruta elabora os gomos,
a fruta elabora o suco,
a fruta elabora a casca,
elabora a cor e sobre-
tudo elabora a semente.

Obra Poética — 2004
Ilustração Háj Ross

Viagem na Sexta

O piloto: Cassiano Ricardo — 1895-1974. Embarque neste…

Soneto da Ausente

É impossível que, na furtiva claridade que te visita sem estrela
nem lua
não percebas o reflexo da lâmpada
com que te procuro pelas ruas da noite.
É impossível que, quando choras, não vejas que
uma das tuas lágrimas é minha.
É impossível que, com teu corpo de água jovem,
não adivinhes toda a minha sede.
É impossível não sintas que a rosa
desfolhada até os pés, ainda há um minuto,
foi jogada por mim, com a mão do vento.
É impossível não saibas que o pássaro,
caído em teu quarto por um vão da janela,
era um recado do meu pensamento.