Seychelles — Oceano Índico

O nosso berço esplêndido nos oferece milhares de quilômetros de litoral; ninguém precisa procurar praias estrangeiras… se, mesmo assim, tiver forte comichão vá para o Arquipélago das Seychelles.

La Digue, Seychelles – Copyright©2017 Rainer Brockerhoff

Costa leste — África

Seychelles são um dos países mais ricos da África, com 81 mil habitantes. Fala-se Kreol Seselwa — uma linguagem crioula, derivada de uma mistura de outras línguas — além de francês e inglês. A capital é Victoria, na ilha Mahé.

Centro de Victoria, Seychelles – Copyright©2017 Rainer Brockerhoff

O arquipélago de 115 ilhas é um santuário para fauna e flora. O mundo misterioso dos peixes nos é revelado por snorkel nas águas transparentes. Aqui o cheiroso Jardin du Roi de especiarias e de plantas raras:

Jardin du Roi, Seychelles – Copyright©2017 Rainer Brockerhoff

Interessante e exótico o coco-de-mer — um “cocão” gigante, aliás a maior semente do mundo — é produzido pela palmeira Lodoicea Maldivica, endêmica das ilhas Praslin e Curieuse. O coco atinge 30kg e a palmeira pode viver mais de 200 anos.

Coco-de-mer, Praslin, Seychelles – Copyright©2017 Rainer Brockerhoff

As tartarugas daqui se equiparam às de Galápagos. Estivemos nas Ilhas Mahé, Praslin e La Digue. Em algumas ilhas, o governo exige, apropriadamente, autorização para visita; são reservas ambientais.

A música de raiz africana é contagiante e a dança reflete a alegria dos seychellois. Aqui, em La Digue, um silêncio incomparável:

La Digue, Seychelles – Copyright©2017 Rainer Brockerhoff
La Digue, Seychelles – Copyright©2017 Rainer Brockerhoff

Nesta vila, em Praslin (pronuncia-se Pralã) a proibição de carros traz tranquilidade, conforto e, felizmente, nada de shopping centers. O comércio é aí mesmo debaixo das árvores, com um dedo de prosa e frutas frescas:

Praslin, Seychelles – Copyright©2017 Rainer Brockerhoff

É uma nação créole com raízes multiétnicas, essencialmente matriarcal. As mães solteiras tem status legal e os pais são obrigados a dar suporte financeiro. Escola pública até os 18 anos, livros didáticos gratuitos. A idade para o casamento é a partir de 15 anos; isto ainda reflete costumes ancestrais.

Na despedida, esta ilhota fica gravada na retina…

Seychelles – Copyright©2017 Rainer Brockerhoff

Gabriel García Márquez — Doze Contos Peregrinos

Estes “Doze Contos Peregrinos” foram escritos ao longo de 18 anos e são recordações de viagens pela Europa. Eram 64 e sobraram este doze contos da “incessante peregrinação de ida e volta ao cesto de lixo“, como nos conta García Márquez; acrescenta, ainda, o curioso episódio:

já que eu havia descrito de memória e à distância as diferentes cidades da Europa onde os contos acontecem, quis comprovar a fidelidade de minhas recordações de quase vinte anos depois e empreendi uma rápida viagem de reconhecimento a Barcelona, Genebra, Roma e Paris. Nenhuma delas tinha nada a ver com as minhas lembranças.

Estes depurados contos são preciosos. Cada um, entremeado com o realismo mágico, nos transporta a um mundo interior de sentimentos doloridos, ternos, disfarçados.
O mundo surreal do mago de Aracataca, Colômbia, retrata o cotidiano de cada um de nós com uma força tão grande, a tal ponto de nos obrigar negá-lo por insuportável.
Gabo, como os amigos o chamavam, íntimo de todas as grandezas e de todas as misérias humanas, é filósofo, xamã, poeta, pajé, mestre, artífice da palavra.

Dos subtextos surgem setas indicando, para quem quiser ver, o caminho ou a busca interior, muitas vezes desesperada. Tais escritos valem séculos de psicanálise.

Um outro livro de García Márquez, “A Incrível e Triste História da Cândida Erêndira e sua Avó Desalmada“, aponta o norte na bússola desorientada da vida.

Canal de Suez — Uma Obra de Arte

Este mar brilhante, com vias de mão dupla, entre montanhas de areia e pedras, praias, ilhotas, oásis é uma miragem!

Canal de Suez – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

Esta escultura metálica é uma ponte giratória. Cada metade fica paralela às margens do canal. Para a passagem de trens as pontes giram para o centro. Parecem efeitos especiais ou ficção.

Ponte El-Ferdan, Canal de Suez – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

Esta ponte pivotante, com 340m, é a mais longa do mundo; une a cidade de Ismaília à Península do Sinai.

El Ferdan Swing Bridge – Copyright©H Nawara – Public Domain

O Canal de Suez, de incalculável valor estratégico, resultou em 11 mil km de atalho entre Europa e Ásia, pois evita o contorno da África pelo Cabo da Boa Esperança.

A travessia do canal leva de 11 a 16 horas. Os navios marcam com antecedência o horário rigoroso de entrada. Qualquer atraso gera grandes prejuízos, pois não há a menor possibilidade de “furar” a fila de dezenas de navios de turismo ou de carga.

Canal de Suez – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

O canal alimenta os lagos naturais de água doce — Grande Amargo, Timsah e Mamzala, considerados sagrados — compensando a evaporação; por sua vez, os lagos equilibram a vazão das águas do mar. Não existem eclusas. Esta passagem também proporciona uma grande migração de espécies marinhas, enriquecendo a fauna. É uma inteligente troca ecológica.

A cidade de Suez, ponto final da travessia, enfrenta hoje desemprego e atraso econômico. A recente e ambiciosa duplicação do canal – 2015 – pode representar desenvolvimento para a região. Na Suez antiga a água doce chegava no lombo dos camelos. Aqui, inicia-se a peregrinação dos muçulmanos para Meca.

Suez, Egito – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

Suez — o final da travessia.
À vista a imensidão do Mar Vermelho. Vejo neste instante que este lugar caiu do céu: nem imaginava a grandeza deste canal mágico. Isto porque, ao programar um roteiro, não há busca por fotos ou outras imagens.
A surpresa — uma sensação inigualável — é a essência da viagem. Experimente!

Groenlândia… finalmente!

Costa da Groenlândia à vista. Pela escotilha desfilam castelos de icebergs, cordilheiras de gelo ao pôr do sol. Neste fim de mundo o ciclo de cor, de luz, de movimento é um espetáculo ímpar…

Groenlândia – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

Ammassalik / Tasiilaq cercada de pedra pura!

Ammassalik, Groenlândia – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

É a primeira cidadinha no nosso roteiro; fundada em 1894, tem dois mil habitantes. Cada um recebe auxílio financeiro da Dinamarca, parece não haver programa de incentivo ao trabalho e o nível de alcoolismo é muito alto.

Ammassalik, Groenlândia – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

Em cada casa vimos um trenó, daí a sinalização:

Ammassalik, Groenlândia – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

Os cães são hábeis no trenó, trabalham muito e não são para brincadeiras ou de estimação. O treinador deve conhecer bem a aptidão dos cães, adestrando-os especificamente para as funções de lateral, de fundo e, principalmente, de líder na condução do trenó.

Ammassalik, Groenlândia – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

É proibida a importação de cães para impedir a mistura de raças. O ponto negativo é a manutenção desses belos e úteis animais acorrentados.

Os meninos são amáveis e a curiosidade é mútua.

Ammassalik, Groenlândia – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

O cemitério ao pé da pedreira. Cruzes sem nome ou data. Sempre visitamos cemitérios; são lugares reveladores de costumes e histórias.

Ammassalik, Groenlândia – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

A pesca é a principal fonte de alimento e cada um bota o almoço para secar.

Ammassalik, Groenlândia – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

Apenas por navio ou helicóptero se chega aqui. É um lugar muito diferente. Esta quebra de paradigma traz um misto de espanto e de surpresa.

Ammassalik, Groenlândia – Copyright©2016 Rainer Brockerhoff

Transiberiana — Gran Finale

De Novosibirsk a Moscou — a etapa final — as cidades foram restauradas ou reconstruídas da sanha cruel de Stalin e Lenin. Como fênix, ressurgiram fortes, imponentes e se desenvolvem em ritmo acelerado.

Novosibirsk, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

• Novosibirsk, ainda na Sibéria, fundada em 1893 durante a construção da ferrovia Transiberiana, é uma cidade-menina para os padrões russos, banhada pelo rio Ob. Até 1991 o regime soviético proibia as visitas de estrangeiros. Hoje é importante centro industrial e universitário.

• Ekaterinburg, a janela para a Ásia, a quarta cidade da Rússia, outrora rodeada por fortalezas, é uma homenagem a Catarina I. É divisa entre os dois continentes. Neste ponto, se celebra com champanhe a brincadeira dos viajantes: colocar um pé na Europa e outro na Ásia.

Ekaterinburg, Rússia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

A cidade guarda, ainda, a perplexidade e horror ao assassinato do casal imperial, Nicolau II. Os cinco filhos e todos os familiares foram, também, covardemente executados pelos bolcheviques — membros do Partido Operário, liderado por Lenin — em 17 de julho de 1918. Segunda a lenda, uma das filhas do czar teria escapado ao destino trágico. O filme “Anastasia”, um clássico de 1956 com Ingrid Bergman e Yul Brinner, bota mais lenha na fogueira.

Esta catedral/museu foi erguida no local onde os Romanov foram mortos:

Ekaterinburg, Rússia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff
Ekaterinburg, Rússia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff
Ekaterinburg, Rússia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Kazan é espetacular! Situada na confluência dos rios Volga e Kazanka existe desde o século XI. Após a dissolução da União Soviética tornou-se um prestigiado centro científico. Aqui convivem pacificamente, desde a queda do comunismo, credos diferentes e são faladas as línguas russa e tatar.

Catedral Ortodoxa, Kazan – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Kazan abriga a maior população muçulmana da Rússia.

Mesquita, Kazan – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff
Mesquita, Kazan – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Moscou! Esta metrópole exala poder e magnificência. Aqui sobram as palavras e pobres as fotos.

A vista da janela do nosso Hotel Kempinski, próximo ao Kremlin:

Kremlin, Moscou – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Uma voltinha no metrô até a próxima estação; uns jovens gentilmente nos cederam o lugar. Essas pequenas gentilezas trazem leveza:

Metrô, Moscou – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Tchau, Praça Vermelha:

Praça Vermelha, Moscou – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Na despedida, uma constatação se impõe: se cada um pudesse encontrar a paz dentro de si mesmo, todos os seres vivos compartilhariam, sim, da indescritível diversidade, diferenças culturais, étnicas e religiosas que enriquecem o mundo.

Sibéria — Lago Baikal

A ansiedade de chegar ao Mar Sagrado da Sibéria nos acorda bem cedo… esta a recompensa.

Lago Baikal, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Baikal é o maior lago de água doce do mundo. É um maravilhoso velhinho de 25 milhões de anos. A profundidade pode alcançar 1700m, contendo 20% da água doce de todo o planeta e 90% da da Rússia.

Lago Baikal, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Por sua biodiversidade é considerado “Galápagos da Rússia”. Com 37 mil km², possui riquíssimas tradições, flora e fauna, cujos crustáceos são hábeis faxineiros do lago: devoram plantas, peixes mortos e qualquer outro material em decomposição. Neste típico mercado, às margens do Baikal, provamos o omul  um salmão de água doce — e outros peixes defumados.

Lago Baikal, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

No inverno, as temperaturas são rigorosas, o Baikal se transforma em um continente gelado. Neste verão a temperatura está muito agradável, tornando-o uma imensidão azul.

Zarengold espera pacientemente o espetacular piquenique às margens do lago: a tripulação arma mesas com toalhas adamascadas, churrasqueiras, bebidas geladas, frutas e sobremesas. Mergulhar no Baikal era inimaginável e a realidade valeu a pena!

Lago Baikal, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Perto daqui, o magnífico Museu Taltsy, reconstruído exatamente igual às aldeias habitadas há 300 anos…

Museu Taltsy, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff
Museu Taltsy, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Baikal era bem longe… a motivação nos leva a lugares inacessíveis…

Mongolia — Viagem no Tempo

A partir de Erlian — fronteira entre China e Mongólia — o Zarengold atravessa a vastidão das estepes até a capital Ulan Bator, “herói vermelho”. São planícies com vegetação rasteira, numa área de transição entre o cerrado e o deserto.

Zarengold na Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

É uma sensação muito boa deixar-se levar por estes campos sem fim…

Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Cruzamos o Gobi, o quinto maior deserto do mundo, um dos lugares mais remotos do planeta.

Deserto de Gobi, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Aqui perambularam dinossauros e cientistas ainda descobrem ossos e ovos de novas espécies destes bichinhos. Gobi, significando “grande seco”, com extrema variação de temperatura, é hostil aos aventureiros, contudo o ecossistema é muito rico. Nos pontos mais altos há lagos e pântanos salgados, perfeito habitat para pássaros. Há cavernas com pequenas aberturas, onde monges se isolavam para meditação.

Não passamos pela paisagem belíssima das dunas, fica o desejo de visitar este mundo misterioso de areias e rochas.

Khongoryn Els-Gobi Desert-Mongolia – Copyright©2006 PnP!

Depois das estepes, Ulan Bator é um susto: crescimento desordenado, trânsito intenso, edifícios modernosos. Esta praça é a principal e pode-se notar a mescla de estilos:

Ulan Bator, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Gentilmente, este casal se deixou fotografar ao lado de nossa guia:

Ulan Bator, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Conseguimos escapar desta cidade grande para o refúgio nos monastérios budistas tibetanos. É um contraste bem-vindo este silêncio e as tocantes esculturas de Buda.

A história de uma vaca

 

Esta, sim, foram doze dias e doze noites nos montes da galiza, com frio, e chuva, e gelo, e lama, e pedras como navalhas, e mato como unhas, e breves intervalos de descanso, e mais combates e investidas, e uivos, e mugidos, a história de uma vaca que se perdeu nos campos com a sua cria de leite, e se viu rodeada de lobos durante doze dias e doze noites, e foi obrigada a defender-se e a defender o filho, uma longuíssima batalha a agonia de viver no limiar da morte, um círculo de dentes, de goelas abertas, as arremetidas bruscas, as cornadas que não podiam falhar, de ter de lutar por si mesma e por um animalzinho que ainda não se podia valer, e também aqueles momentos em que o vitelo procurava as tetas da mãe, e sugava lentamente, enquanto os lobos se aproximavam, de espinhaço raso e orelhas aguçadas. {…} Ao fim dos doze dias a vaca foi encontrada e salva, mais o vitelo, e foram levados em triunfo para a aldeia, porém o conto não vai acabar aqui, continuou por mais dois dias, ao fim dos quais, porque se tinha tornado brava, porque aprendera a defender-se, porque ninguém podia já dominá-la ou sequer aproximar-se dela, a vaca foi morta, mataram-na, não os lobos que em doze dias vencera, mas os mesmos homens que a haviam salvo, talvez o próprio dono, incapaz de compreender que, tendo aprendido a lutar, aquele antes conformado e pacífico animal não poderia parar nunca mais.

…está, ipsis litteris, no livro de José Saramago, “A viagem do Elefante”; de uma profundidade infinita, simboliza a vida de mulheres e homens corajosos — e a reação do outro…

O Pensamento de José Saramago

O texto SaraMágico — assim como os dados —  apresenta múltiplas facetas.
Cada uma traz: perspectiva diferente, ângulo luminoso ou lucidez cortante.
Aqui, pinceladas extraídas do livro “A Caverna”, edição 2000:

Ainda que te possa parecer estranha a comparação, os gestos, para mim, são mais do que gestos, são como os desenhos feitos pelo corpo de um no corpo do outro.

 

As coisas que parecem ter passado são as que nunca acabam de passar.

 

A pena pior, minha filha, não é a que se sente no momento, é a que se vai sentir depois, quando já não houver remédio.

 

É uma estupidez deixar perder o presente só pelo medo de não vir apanhar o futuro.

 

A boca é um órgão que será tanto mais de confiança quanto mais silencioso se mantiver.

 

Um pássaro numa gaiola pendurada à janela poderá imaginar que está em liberdade.

 

É preciso compreender que nas circum—navegações da vida uma brisa amena para uns pode ser para outros uma tempestade mortal, tudo depende do calado do barco e do estado das velas.

 

O tempo é um mestre-de-cerimônias que sempre acaba por nos colocar no lugar que nos compete.

João Ubaldo Ribeiro — Diário do Farol

DFEste polêmico livro do nosso baiano é de uma extrema e terrível lucidez.

O assunto é pesado, até assustador! Daí, talvez, a relutância de o leitor aceitar que a natureza humana é, sim, capaz de ultrapassar os limites do Bem e do Mal.

A parte final do livro é destoante e, mais uma vez, a gente desejou que um corajoso Editor tivesse usado, ali, um misericordioso bisturi…

Contudo, o objetivo aqui é, tão somente, transcrever — ipsis litteris — um trecho que, por si só, vale o livro. Cada releitura deste texto faz o coração saltar diante da perturbadora e dura verdade:

A vida é vitoriosa não quando se tem o que se costuma ver
como bênçãos, ou seja, beleza, dinheiro, honrarias e assim por diante.
Essas coisas podem perfeitamente conviver e entrar em simbiose
com a mais completa infelicidade.
Elas não representam uma vitória por mais que seus detentores
e os que erroneamente os invejam queiram pensar assim.
A vida é vitoriosa quando se satisfaz o que de fato há em cada um de nós,
aquilo que de fato ansiamos e quase nunca nos permitem,
nem nos permitimos, reconhecer.