Transiberiana — Gran Finale

De Novosibirsk a Moscou — a etapa final — as cidades foram restauradas ou reconstruídas da sanha cruel de Stalin e Lenin. Como fênix, ressurgiram fortes, imponentes e se desenvolvem em ritmo acelerado.

Novosibirsk, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

• Novosibirsk, ainda na Sibéria, fundada em 1893 durante a construção da ferrovia Transiberiana, é uma cidade-menina para os padrões russos, banhada pelo rio Ob. Até 1991 o regime soviético proibia as visitas de estrangeiros. Hoje é importante centro industrial e universitário.

• Ekaterinburg, a janela para a Ásia, a quarta cidade da Rússia, outrora rodeada por fortalezas, é uma homenagem a Catarina I. É divisa entre os dois continentes. Neste ponto, se celebra com champanhe a brincadeira dos viajantes: colocar um pé na Europa e outro na Ásia.

Ekaterinburg, Rússia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

A cidade guarda, ainda, a perplexidade e horror ao assassinato do casal imperial, Nicolau II. Os cinco filhos e todos os familiares foram, também, covardemente executados pelos bolcheviques — membros do Partido Operário, liderado por Lenin — em 17 de julho de 1918. Segunda a lenda, uma das filhas do czar teria escapado ao destino trágico. O filme “Anastasia”, um clássico de 1956 com Ingrid Bergman e Yul Brinner, bota mais lenha na fogueira.

Esta catedral/museu foi erguida no local onde os Romanov foram mortos:

Ekaterinburg, Rússia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff
Ekaterinburg, Rússia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff
Ekaterinburg, Rússia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Kazan é espetacular! Situada na confluência dos rios Volga e Kazanka existe desde o século XI. Após a dissolução da União Soviética tornou-se um prestigiado centro científico. Aqui convivem pacificamente, desde a queda do comunismo, credos diferentes e são faladas as línguas russa e tatar.

Catedral Ortodoxa, Kazan – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Kazan abriga a maior população muçulmana da Rússia.

Mesquita, Kazan – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff
Mesquita, Kazan – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Moscou! Esta metrópole exala poder e magnificência. Aqui sobram as palavras e pobres as fotos.

A vista da janela do nosso Hotel Kempinski, próximo ao Kremlin:

Kremlin, Moscou – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Uma voltinha no metrô até a próxima estação; uns jovens gentilmente nos cederam o lugar. Essas pequenas gentilezas trazem leveza:

Metrô, Moscou – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Tchau, Praça Vermelha:

Praça Vermelha, Moscou – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Na despedida, uma constatação se impõe: se cada um pudesse encontrar a paz dentro de si mesmo, todos os seres vivos compartilhariam, sim, da indescritível diversidade, diferenças culturais, étnicas e religiosas que enriquecem o mundo.

Sibéria — Lago Baikal

A ansiedade de chegar ao Mar Sagrado da Sibéria nos acorda bem cedo… esta a recompensa.

Lago Baikal, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Baikal é o maior lago de água doce do mundo. É um maravilhoso velhinho de 25 milhões de anos. A profundidade pode alcançar 1700m, contendo 20% da água doce de todo o planeta e 90% da da Rússia.

Lago Baikal, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Por sua biodiversidade é considerado “Galápagos da Rússia”. Com 37 mil km², possui riquíssimas tradições, flora e fauna, cujos crustáceos são hábeis faxineiros do lago: devoram plantas, peixes mortos e qualquer outro material em decomposição. Neste típico mercado, às margens do Baikal, provamos o omul  um salmão de água doce — e outros peixes defumados.

Lago Baikal, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

No inverno, as temperaturas são rigorosas, o Baikal se transforma em um continente gelado. Neste verão a temperatura está muito agradável, tornando-o uma imensidão azul.

Zarengold espera pacientemente o espetacular piquenique às margens do lago: a tripulação arma mesas com toalhas adamascadas, churrasqueiras, bebidas geladas, frutas e sobremesas. Mergulhar no Baikal era inimaginável e a realidade valeu a pena!

Lago Baikal, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Perto daqui, o magnífico Museu Taltsy, reconstruído exatamente igual às aldeias habitadas há 300 anos…

Museu Taltsy, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff
Museu Taltsy, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Baikal era bem longe… a motivação nos leva a lugares inacessíveis…

Sibéria

Ao norte da Ásia, entre os Montes Urais e o Oceano Pacífico, esta terra imensa foi formada pelas civilizações nômades antes da era cristã. Em meio a grande desenvolvimento, ainda conserva, sem radicalismo, suas tradições ortodoxas, cujo símbolo é esta catedral.

Catedral da Epifania, Irkutsk, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

No final do séc. XV os russos chegaram à Sibéria e mudou-se o rumo da história. No período imperial russo e até recentemente, os terríveis Gulags “abrigaram” camponeses, cidadãos ilustres, intelectuais, entre eles Dostoiévski, pelo crime de pensar diferentemente do sistema. Cerca de 14 milhões de pessoas foram presas — principalmente entre 1923 a 1953. Mais de um milhão de presos teriam morrido sob o severo regime de trabalho escravo.

A construção da ferrovia transiberiana foi de extrema importância para a conexão entre províncias distantes.

Transiberiana – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Ulan-Ude é a cidade fronteiriça entre Mongólia e Rússia. Aqui a burocracia russa é das mais refinadas. Os agentes russos fazem questão de “conhecer” e fotografar cada passageiro. No Zarengold, tiveram a gentileza de subir às cabines, pois costumam exigir que os passageiros desçam. Então ficamos gratos em, ainda na cama, abrir os olhos pesados de sono, às 5:00 da madruga, para uma bela foto…

O exotismo, a gentileza dos nativos, compensaram tudo. O mosteiro tibetano:

Ulan-Ude, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

…o teatro…

Ulan-Ude, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff
Ulan-Ude, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

A apresentação folclórica do povo buriat é muito rica:

Ulan-Ude, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Irkutsk, onde pernoitamos, é uma grande cidade, centro de intelectuais desde os famosos decembristas — grupo de revoltosos contra o czar Nicolau I — apelidada “Paris da Sibéria”. Aqui o museu, antiga e elegante residência do corajoso revolucionário Volkonsky:

Irkutsk, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

O centro antigo de Irkutsk era um antro de prostituição e drogas; através de lúcida administração pública transformou-se, com o investimento de empresários, numa área turística/cultural segura e rentável:

Irkutsk, Sibéria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Os 1800km de Irkutsk a Novosibirsk foram muito bem aproveitados no Zarengold; aulas de russo, apresentação de violino, canções folclóricas, a prova de fogo da degustação de vodka de todas as cores e para todos os gostos: de bacon, de pimenta, de canela, de pistache, etc., e o delicioso almoço típico:

Transiberiana – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Mongolia — Sob a Luz das Estrelas

Zarengold permanece na estação, havendo as opções de pernoite no hotel em Ulan Bator ou no Parque Terelj. Escolhemos pernoitar sob a luz das estrelas no confortável acampamento. Esta escolha traz-nos surpresas: pode-se caminhar em todas as direções, absorver o por-do-sol, saborear lentamente os diferentes pratos no jantar, deitar na grama com o céu estrelado quase no nariz…

Camp Juulchin-Balayag, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

O espetacular Parque Nacional Ghorki-Terelj é apelidado de Suíça da Mongólia. Até lá, “SÓ” paisagem! Envolvente silêncio, monumentos de pedras…

Gorkhi-Terelj National Park, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

…e este oportuno banheiro perdido no verde:

Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

O parque está a 90km de Ulan Bator. A cidade vai ficando para trás; na saída, cavalos garbosos trotando ao lado de Mercedes-Benz. Logo, logo, o verde dos campos, a entrada do parque — uma das maiores áreas de vida selvagem protegida na Mongólia, apesar do avanço de acampamentos em vários pontos. Ao norte, no Khan Khentii, ainda há animais selvagens. Por aqui, os afáveis iaques.

Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

A hospedagem neste acampamento é em iurte ou ger ; essas elegantes cabanas circulares nas planícies onduladas, é como estar num filme. Apropos, recomendamos o premiado documentário “Camelos Também Choram”, da diretora Byambasuren Davaa.

Gorkhi-Terelj National Park, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

No Camping Juulchin-Bayalag há este espaçoso iurte-restaurante, serviços de lavanderia, sauna e banheiros limpos.

Camp Juulchin-Balayag, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

ger é a casa dos nómades, é de fácil e rápida montagem e desmontagem. É bem aquecido; até dormimos com a porta aberta para refrescar!

Camp Juulchin-Balayag, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Visitamos uma das famílias nômades, experimentamos um tipo de creme de nata delicioso e a espontaneidade dos mongóis. Serviram-nos, também, o chamado airag, leite fermentado de égua, forte teor alcoólico. Tem um gosto entre doce e salgado, é mesmo o sabor da Mongólia.

Gorkhi-Terelj National Park, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

O anoitecer é um momento inesquecível, ainda mais que não havia outros hóspedes. Nesta imensidão quieta, a espantosa luminosidade das estrêlas traz a boa e rara sensação de completude na despedida da Mongólia.

Camp Juulchin-Balayag, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Mongolia — A Cultura Budista

Arruinados pelos comunistas, os templos foram reconstruídos e preservam a cultura, os bons costumes seculares. O budismo, por sua filosofia de inclusão, é a única saída — se houver — para o caos do mundo…

Gandantegchenling, Ulan Bator – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Escapamos do mufurufo de Ulan Bator, visitando a antiga residência de inverno de Bogd Khan, o último imperador antes da ocupação comunista. O palácio é, hoje, um inestimável acervo e uma história viva.

Palácio de Inverno, Ulan Bator – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Os bordados em seda são magníficos; neste museu, uma vivência muito rica dos costumes e cultura:

Palácio de Inverno, Ulan Bator – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

O templo de Gandantegchenling / Гандантэгчинлэн (impronunciável! Aliás, estivemos em uma livraria sem sequer identificar uma só letra no alfabeto cirílico) é reverenciado:

Gandantegchenling, Ulan Bator – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Os monges recebem, aconselham qualquer pessoa que os procuram com mansidão e sabedoria, são excelentes terapeutas:

Gandantegchenling, Ulan Bator – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Mais tarde, o almoço em um fogão esperto:

Ulan Bator – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Saímos da cidade grande, ufa!, ansiosos para pernoitar no Parque Nacional Terelj, região apelidada de “Suíça da Mongólia”, a próxima parada. O pernoite em Ulan Bator é para quem curte compras e muita gente.

Mongolia — Viagem no Tempo

A partir de Erlian — fronteira entre China e Mongólia — o Zarengold atravessa a vastidão das estepes até a capital Ulan Bator, “herói vermelho”. São planícies com vegetação rasteira, numa área de transição entre o cerrado e o deserto.

Zarengold na Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

É uma sensação muito boa deixar-se levar por estes campos sem fim…

Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Cruzamos o Gobi, o quinto maior deserto do mundo, um dos lugares mais remotos do planeta.

Deserto de Gobi, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Aqui perambularam dinossauros e cientistas ainda descobrem ossos e ovos de novas espécies destes bichinhos. Gobi, significando “grande seco”, com extrema variação de temperatura, é hostil aos aventureiros, contudo o ecossistema é muito rico. Nos pontos mais altos há lagos e pântanos salgados, perfeito habitat para pássaros. Há cavernas com pequenas aberturas, onde monges se isolavam para meditação.

Não passamos pela paisagem belíssima das dunas, fica o desejo de visitar este mundo misterioso de areias e rochas.

Khongoryn Els-Gobi Desert-Mongolia – Copyright©2006 PnP!

Depois das estepes, Ulan Bator é um susto: crescimento desordenado, trânsito intenso, edifícios modernosos. Esta praça é a principal e pode-se notar a mescla de estilos:

Ulan Bator, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Gentilmente, este casal se deixou fotografar ao lado de nossa guia:

Ulan Bator, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Conseguimos escapar desta cidade grande para o refúgio nos monastérios budistas tibetanos. É um contraste bem-vindo este silêncio e as tocantes esculturas de Buda.

Mongolia — Transiberiana

Esta terra de grandes e cruéis conquistadores, como Genghis Khan, 1206, e Átila, o huno, era um grande império cobrindo partes da Rússia e da China. Hoje é uma soberania de estepes sem fim, de montanhas de pedra e de gente amável.

Genghis Khan – autor desconhecido

De Datong — China — chegamos à fronteira em Erlian. Na rodovia, estas curiosas esculturas em homenagem aos “nativos” descobertos pelos paleontólogos.

Dinossauros, Erlian, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Erlian é uma vila espalhada…

Erlian, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

… em torno dos trens do caminho transiberiano.

Estação de Erlian, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Repentinamente, não se sabe de onde, surgem dezenas de recrutas uniformizados que, agilmente, transportam as incontáveis malas para o Zarengold, trem privativo para turistas. As cabines não comportam bagagens volumosas. Então, a maior parte das malas é empilhada no estreito espaço entre os vagões. Assim, para aqueles turistas cujo maior prazer consiste no “peso” das malas, é uma decepção: roupas, preciosos adereços, mais sapatos etc. etc. ficam fechadinhos e inacessíveis!

Trem público, Erlian, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Mongólia recebe seus visitantes com um concerto de morin khuur, um instrumento típico com cabeça de cavalo e impressionante som gutural, uma técnica vocal chamada khoomei.

Hosoo & Transmongolia – vídeo Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Mongólia não tem saída para o mar, limita-se com o sul da Rússia e norte da China. É o pais menos densamente populado, com 3 milhões de habitantes; destes, 40% vivem na capital Ulanbataar. Em 1990, os mongóis conseguiram se livrar do comunismo, tornando-se uma república parlamentarista. O regime soviético arrasou os monastérios budistas tibetanos e mais de mil monges desapareceram. Essa ocupação comunista gerou situações curiosas: nossas duas guias frequentaram a universidade na Alemanha Oriental, formaram-se em engenharia e beneficiamento de couro e, por isso, falam alemão muito bem!

A mineração estrangeira de ouro, cobre, carvão e urânio tem devastado as terras, ameaçando, irremediavelmente, os camelos selvagens, ursos, gazelas e os últimos leopardos-das-neves do norte, além de gastar os recursos hídricos. O gentil povo mongol parece não saber avaliar as consequências destes danos ambientais. Certamente algo parecido aconteceu no Brasil; a terra sendo tão vasta, os campos e rios infinitos, as florestas densas pareciam perenes. Então pode-se, sem limites, gastar, queimar, cortar, vender para exploradores!

Às margens dos caminhos fitas coloridas amarradas às arvores e nas pedras empilhadas simbolizam pedidos e desejos; resquícios do xamanismo antigo.

Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

 

Transiberiana — o Mundo nos Trilhos

A Transiberiana, de Moscou a Vladivostok, uma das estradas de ferro mais longas do mundo, foi construída entre 1891—1916, pelos prisioneiros na Sibéria, principalmente. Foi uma obra monumental com florestas inteiras abatidas, rios desviados e centenas de pontes. O enorme custo de vidas humanas nunca foi revelado. É o mais importante meio de transporte na Rússia para exportação, turismo e passageiros domésticos.

Zarengold Beijing – Moscou ©LernIdee

Há três rotas principais:
• Moscou—Beijing via Mongólia, 7.621km;
• Moscou—Vladivostok, 9.289km;
• Moscou—Beijing via Harbin, Manchúria, 8.986km.
Os trens rodam nos dois sentidos. Podemos dizer que todos os caminhos de ferro levam à Transiberiana.

Estes trens públicos regulares fazem o trajeto entre 6 a 9 noites, parando rapidamente nas estações intermediárias. Passageiros perdidos nas estações são muito comuns. O passageiro também pode, claro, comprar separadamente os bilhetes para as cidades onde quiser pernoitar ou ficar mais tempo.

P1150768
Transiberiano em Erlian, Mongólia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

O filme “Transsiberian” — Brad Anderson, 2008 — retrata a viagem no inverno, época não recomendável para nós dos trópicos: chega a -50°C, ainda que a paisagem seja de tirar o fôlego. O filme dá uma idéia, nem sempre glamorosa, do ambiente no trem regular, pessoas de todos os tipos, níveis e temperamentos, além de constatar o atendimento até hostil das comissárias, aliás procedimento comum na Rússia, fora dos locais destinados a turistas.

Exclusivamente para turistas há os trens privados, à disposição dos passageiros, inclusive com pernoites em hotéis e permanência de até dois dias. Na rota Beijing—Moscou embarcamos no Zarengold, o charmoso trem dos Czares. O trem siberiano foi, desde sempre, sinônimo de elegância imperial: os garçons em black-tie, os passageiros em gala e a bebida oficial era o champagne da Geórgia.

Zarengold – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

O Zarengold recebeu todo o conforto de um hotel, adaptando-se às exigências modernas. Há seis tipos de cabine. Nos extremos, a Standard, para 4 pessoas e 1 banheiro por vagão, e a Bolshoi Platinum, espaçosa para 2 pessoas e com banheiro privativo. Todas as refeições e algumas bebidas estão incluídas, bem como alguns passeios. O atendimento é muito bom, apesar de a tripulação só falar a língua russa, com exceção dos guias. Para a categoria Bolshoi há um excelente restaurante especial…

Zarengold, Restaurante Bolshoi – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

…bem como concertos e grupos de, no máximo, 8 pessoas para os passeios, além de farta degustação de vodka e caviar.

Zarengold – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Pegaríamos o trem em Beijing. É o trem chinês, com bitola especial, até a fronteira da Mongólia. Estivemos aqui em 2009; é impressionante o desenvolvimento de tudo neste curto espaço de tempo. A China está superlotada com 400 milhões de turistas… chineses! Sim, os nativos conseguiram permissão para viajar pelo próprio país, uma condição impossível na época de Mao e até recentemente.

Cidade Proibida, Beijing – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Agora, os chineses estão em todos os pontos turísticos e têm a preferência dos hotéis, pois até no Kempinski, uma das melhores redes do mundo, dificilmente algum funcionário fala inglês.

Jardim, Hotel Kempinski, Beijing – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Supreendentemente, o governo chinês suspendeu aquele embarque de turistas na Transiberiana, pois o trem fora requisitado para transportar altos funcionários. Como se pode fazer uma caipirinha de um limão, a Lernidee, nossa agência de viagens, substituiu, com muitas vantagens, o trem chinês por confortáveis ônibus e a compensação de 2 dias em Datong.

Também estivemos aqui em 2009, e a transformação do local é muito grande. Datong — com 1 milhão de habitantes era uma cidade pequena para os padrões chineses — tem agora mais de 3 milhões e até uma gigantesca muralha “antiga”, recém-construída para restaurar as glórias passadas da dinastia Wei há 1600 anos. Foi maravilhosa a surpresa de rever as cavernas dos Budas em Yungang!

Yungang, Datong – Copyright©2009 Rainer Brockerhoff

Impressionantes as imagens de até 15m, cavadas na montanha de arenito pelos monges no séc.V.

Yungang, Datong – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Estas imagens são espetaculares e, em um contraste especialíssimo com a sua grandeza, Buda nos transmite pelo olhar, pela postura, pelo gestual uma profunda sensação de calma. Este lugar está, para sempre, dentro da gente.

Yungang, Datong – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Puerto Madryn — Patagonia

As praias desertas, escarpadas e povoadas de relaxados leões e elefantes marinhos, são uma bela compensação à desolada cidade de Puerto Madryn, varrida pelos ventos; abrigado pelo Golfo Nuevo, o porto é a entrada do santuário da extensa Península Valdés.

IMGP7384
Península Valdés, Patagonia – Copyright©2006 Rainer Brockerhoff

Fundado por imigrantes galeses em 1865, é o segundo porto pesqueiro da Argentina. A industrialização começou com uma fábrica de alumínio e outras mais. A região enfrenta um sério problema com o descarte de sacos plásticos; milhares e milhares poluem os campos, matam animais, impedem a adubação. As gaivotas, devido ao lixo a céu aberto, devastam tudo: comem insetos, peixes, ovos, picam as baleias e, o pior, reproduzem-se espantosamente. Há um programa de conscientização para evitar o uso destes plásticos.

A Península Valdés — 4000 km² na província de Chubut — uma imensidão arenosa com vegetação rasteira boa para as ovelhas e um litoral selvagem com falésias belíssimas, é patrimônio natural da humanidade e o paraíso dos biólogos.

Península Valdés, Patagonia – Copyright©2006 Rainer Brockerhoff

Aqui, um zoológico natural, vivem também guanacos, tatus e mara, um roedor tipo lebre da Patagonia; além de ter um jardim especial:

Península Valdés, Patagonia – Copyright©2006 Rainer Brockerhoff

No Golfo Nuevo, principalmente em Puerto Piramides, entre junho e dezembro as espetaculares baleias-franca vêm acasalar-se aqui.

Puerto Piramides, Patagonia – Copyright©2013 Diario de Navarra

Punta Delgada é uma reserva de leões marinhos. Os adultos vão pro mar em busca de alimento e os adolescentes se estendem folgadamente ao sol… esta combinação lhe é familiar?

IMGP7425
Península Valdés, Patagonia – Copyright©2006 Rainer Brockerhoff

No passado recente estes animais quase foram extintos pela matança desenfreada. Felizmente, o governo tomou providências e hoje a região transformou-se em um parque protegido.

Caleta Valdés apresenta uma impressionante beleza e, entre fevereiro e abril, o dramático fenômeno da caçada aos lobos marinhos pelas orcas: surfam até a praia e os abocanham.

Península Valdés, Patagonia – Copyright©2006 Rainer Brockerhoff

Estes caminhos nos levaram a um mundo à parte, nos apresentaram uma vida rica! A adaptação ao clima, os diferentes costumes, a tosa das ovelhas, as grandes distâncias silenciosas são uma realidade desconhecida para nós, essa esquisita gente da cidade.

Olho por olho…

Engolir o sapo ou a justiça estrita do dente-por-dente? Nas irônicas circunstâncias desta história, o grande escritor russo Fiódor Dostoiévski (1821-1881), em O Idiotaaponta a saída…

…estou sòzinho no vagão. Fumar não é proibido mas também não é permitido; ou seja, é semipermitido, como de costume; e isso dependendo da pessoa. A janela está aberta. De repente, instalam-se duas damas com um totó, bem à minha frente; chegaram atrasadas; uma estava vestida de forma mais elegante, de azul claro; a outra, mais simples. Eu sou bem apessoado, elas olham com desdém, falam inglês. Eu, é claro, não ligo; continuo fumando para fora da janela. O totó está no colo da senhora de azul claro, é pequeno, cabe na minha mão, preto, patinhas brancas, até uma raridade. Coleira de prata com uns dizeres. Eu não ligo. Observo apenas que as damas, parece, estão zangadas com o charuto, é claro. Uma aponta para mim o lornhão, de osso de tartaruga. Não falam nada mesmo! Se avisassem, se pedissem, porque para isso existe finalmente a linguagem humana! No entanto, se calam […] Sem o mais mínimo aviso, todavia como se tivesse ficado totalmente louca, a de azul claro me arranca da mão o charuto e o joga pela janela. O trem voa, fico olhando como um louco. Uma mulher selvagem; selvagem mulher, os olhos brilham na minha direção, e eu, sem dizer palavra e com uma gentileza incomum, com a mais perfeita gentileza, gentileza refinada, por assim dizer, aproximo dois dedos do totó, pego-o delicadamente pela nuca e o arremesso janela afora atrás do charuto! Ele dá apenas um ganido! O trem continua voando…