Primavera — Haicai

Fredericksburg, Texas – Copyright ©2010 Rainer Brockerhoff

Vem flor vem hera
apesar de parente
é primavera

Copyright©2010 Maria Brockerhoff

Haicai

 

Uma begonia
transformou-se em mulher
é bem a Sonia

Copyright©2010 Maria Brockerhoff

Mineiricai

Depois do gozo
de todo o belo início
vem precipício

Poço bem fundo
já não mais me engana
ess’alma humana

Copyright©2011 Maria Brockerhoff

Haicai de Mineiro

…é mineiricai!

Cabeça à tona
tontos com beladona
somos os homens

Copyright©2011 Maria Brockerhoff

Haicai – poema japonês

Haikai, haiku ou haicai é uma forma de canto; é aparentemente simples mas profundo, delicioso.

Ressalvadas as diferenças semânticas e a tradução, o poema japonês — adaptado, claro, a cada cultura — é um lampejo, uma forma de meditação, capta o silêncio, o efêmero, o eterno…

Numa linguagem depurada, o haicai não explica, flui.

Suas origens são muito antigas, provém do tanka, do renga, uma sequência de estrofes. O grande Bashō (1644-1694) é o mestre desta arte; de seu discípulo Issa (1763-1826):

Crisântemos florescem
junto ao monte de estrume
uma só paisagem

O haicai sempre teve 17 sílabas ou sons — 5, 7, 5 — diz o máximo em 3 linhas; não é provérbio ou “pensamento”; pode ser ironia, introspecção, humor, sempre traz um “encanto intraduzível” (conforme Afrânio Peixoto, 1919) ou, como bem definiu Paulo Franchetti, “com o mínimo obtém-se o suficiente”.

Osório Dutra (1889-1968) afirmou que a poesia do Japão era pobre e o haicai fruto desta pobreza… estariam verdes as uvas…?

Importante mesmo é saborear o haicai dos bons autores:

Borrão azul
na brancura da página
o poema
Albano Martins, 1930

Festa das flores
acompanhando a mãe
uma criança cega
Herberto Helder, 1930

As flores tantas
o outono
nem sabe a quantas
Paulo Leminski, 1983

Tem cautela
ajuda o sol
com uma vela
Millôr Fernandes

O pato, menina
é um animal
com buzina
Millôr Fernandes