Além do Danúbio — Sérvia

A Sérvia — uma região belíssima — é um exemplo de tenacidade: guerras, ocupações, migrações forçadas não lhe tiraram a força cultural assentada nestes alicerces milenares.

Fortaleza Kalemegdan, Belgrado – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Belgrado é uma cidade moderna, dividida pelos rios Sava e Danúbio. O bairro boêmio Skadarlija pretende rivalizar com o Montmartre de Paris. Curioso o prato típico, Kajmak, leva uma semana de preparação: são camadas empilhadas, uma por dia, de natas de leite com especiarias.

Ainda em Belgrado, esta surpresa:

Belgrado, Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Uma estrada plana corta campos verdes de variadas plantações. Esta infinitude traz uma sensação muito agradável e nos leva a Novi Sad, um importante centro industrial sérvio.

Novi Sad, Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Andar pelo centro antigo, muito arborizado, com ruas para pedestres, a torre colorida da antiga catedral, com o telhado de placas de cerâmica verde-amarelo, nos faz sentir dentro de um cartão postal.

Sremsky Karlovci, de 1553, foi a mais importante diocese ortodoxa do séc. XVII. Na pracinha, temos a sorte de um concerto particular: chega até aqui o som do organista da igreja histórica.

Sremski Karlovci, Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Não muito longe, uma cerveja no restaurante do Dunav Hotel numa curva do Danúbio, claro! O lugar, cheio de flores, construção de madeira e a surpresa da sopa típica diretamente do panelão.

Restaurante Hotel Dunav, Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Krušedol — significa vale das peras —é um importante mosteiro ortodoxo, construído em 50 anos no séc. XVI.

Krušedol, Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Limpíssimo, bem cuidado; encravadas nas paredes, lápides dos patriarcas mais ilustres. O admirável mosteiro, no Parque Nacional Fruška Gora, é uma fonte espiritual de história e de arte.

Krušedol, Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Donji Milanovac fica dentro do maior parque nacional — o Parque Đerdap — com plantas raras e incontáveis espécies de pássaros. Curiosamente, é uma cidadezinha andarilha; fugindo do exército turco, mudou-se em1690 para a ilha Porec; fugindo das enchentes subiu as encostas em 1830. Finalmente, em 1970, deslocada pela grande hidroelétrica “Portões de Ferro”, estabeleceu-se numa curva acentuada do Danúbio, a 180km de Belgrado. Em compensação, hoje é um admirável jardim com 30 mil rosas. Nas proximidades, o importante sítio arqueológico Lepenski Vir, com mais de 8 mil anos.

Em contraste com esta natureza sérvia riquíssima, vê-se do deck do Rousse Prestige uma nota dissonante: às margens, as lembranças do bombardeio da OTAN em 1999.

Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Os Portões de Ferro — Sérvia

Danúbio Sérvio cava o maior canion — 134 km! — da Europa, entre os Montes Cárpatos e os Balcãs em direção à Romênia. Esta passagem chega a, apenas, 150m de largura em determinados trechos. É um legado histórico da idade da pedra, do império romano e de ocupações recentes.

Mosteiro Mraconia, Danúbio – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Neste trecho do Danúbio, de Golubac (Голубац) até Negotin (Неготин), a correnteza muito forte, os redemoinhos, as corredores e enormes pedras submersas eram um tormento para os navegantes.

Portão de Ferro, Danúbio – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Desde Tiberius, 33 d.C., Trajano, 103 d.C. até 1834, houve frustrados projetos e tentativas para superar os obstáculos nesta travessia. Finalmente, em 1964, o megaprojeto das hidroelétricas “Portões de Ferro/Iron Gates”, entre Romênia e Iugoslávia, iniciou a construção de barragens e eclusas. O Danúbio foi transformado em um gigantesco reservatório: meio rio, meio lago.

Portão de Ferro, Danúbio – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Para os navios, não há mais impedimentos, mas tal interferência trouxe amargos resultados para a população ribeirinha, fauna e flora:

  • a imediata interrupção da rota de reprodução para uma espécie de salmão;
  • a bela ilha turca Ada Kaleh afundou-se para sempre, com sua mesquita e o mosteiro franciscano;
  • a parte antiga de Orșova, a cidade romena, foi inundada;
  • a má distribuição das águas prejudica os países rio abaixo, tornando o delta, em certas épocas do ano, intransitável pelo nível baixo.

Fato histórico relevante é o massacre em Kragujevac (Крагујевац), a primeira capital, o maior centro educacional da Sérvia. Aqui, em outubro de 1941, adolescentes e professores do ginásio foram executados em massa, ainda que a população não tivesse participado de qualquer ataque aos servidores de Hitler. O acervo do Parque Memorial de Šumarice e as impressionantes esculturas são uma homenagem viva às vítimas e um veemente ALERTA!

Voltando à beleza presente da paisagem, as ruínas e o marco da ousada Ponte de Trajano. Aí, do lado romeno, a face de Decébalo esculpida recentemente.

Portão de Ferro, Danúbio – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Hoje, esta é uma rota de prazeres ao ar livre bem aproveitada por ciclistas, pescadores, veleiros… as vilas hospitaleiras servem rica culinária, fruto da influência secular de outros povos.

Portão de Ferro, Danúbio – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Um Tesouro Húngaro

Esztergom é, antes de tudo, a sua belíssima Basílica! Um verdadeiro tesouro cultural e histórico.

Esztergom – Copyright©2013 Hungary Taxi

Esztergom foi a capital da Hungria por dois séculos até a mudança para Buda, pelo Rei Béla IV, em meados do Séc.XIII. Os primeiros povos nesta região foram os celtas em torno de 350 a.C..

Esztergom, a primeira arquidiocese da Hungria, teve a mais antiga e próspera comunidade judia. No final da Segunda Guerra suas lojas foram confiscadas, os judeus executados em massa. Em todos os tempos, a intolerância trouxe sofrimento e morte. É forçoso concordar com José Saramago:

…o homem, sendo indubitavelmente um animal entre os animais, é, também, o mais irracional entre todos eles. [Cadernos de Lanzarote, 13/05/93]

Devastada pela guerra, Esztergom foi se recuperando; tornou-se um importante centro cultural e industrial. Ainda hoje, as escavações arqueológicas continuam…

De longe as torres sinalizam a imponência de todo o complexo arquitetônico. Emocionantes os sons dos enormes sinos ultrapassando as margens do Danúbio.

Esztergom, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

A Basílica, em mármore de todas as tonalidades…

Basílica Esztergom, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

…é um repositório de arte sacra.

Basílica Esztergom, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Aqui está sepultado o Cardeal József Mindszenti, o corajoso arcebispo de Esztergom, ferrenho opositor do domínio soviético, lutou em defesa dos oprimidos e da liberdade de culto.

O preço foi muito alto: preso, torturado, o cardeal recebeu asilo político na embaixada americana em Budapest, onde permaneceu por 15 anos. O mais longo cativeiro em embaixadas de que se tem notícia. Sob veementes protestos do mundo civilizado, o íntegro József Mindszenti foi libertado. Impedido de permanecer na pátria amada, exilou-se em Viena. Morreu 4 anos depois. Sua vida inspirou os filmes Guilty of Treason – 1950 e The Prisoner – 1955.

Hoje é venerado como um mártir. O seu exemplo tornou Esztergom um celeiro de vocações sacerdotais, que cresceram exponencialmente depois do comunismo. O seminário Pietati et Scientiis é o maior da Europa.

Os concertos neste órgão atraem visitantes de todas as partes.

Basílica Esztergom, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Do lado de lá do Danúbio, na Eslováquia, a cidade de Štúrovo. A ponte unindo as duas cidades foi destruída pelos alemães em 1944. A reconstrução levou 50 anos, sendo inaugurada em 2004; será um símbolo de um futuro comum sem fronteiras severas? A ponte Mária Valéria é uma beleza por si só, cheia de pedestres e ciclistas. A ligação entre Hungria e Eslováquia faz renascer a teimosa esperança de que haja, em cada um de nós, boa vontade!

Esztergom, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

A Cidade-Fênix — Hungria

Visegrád é uma cidadela a 350m morro acima! Destruída pelos mongóis e pelos turcos, ficou soterrada por mais de um século. Hoje descortina-se daqui este panorama do “Joelho do Danúbio” — Donauknie ou Danube Bend.

Visegrád, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Visegrád é um nome eslavo para uma antiquíssima fortaleza e residência de reis húngaros a partir de 1240. Por aqui foram encontrados traços humanos desde a idade da pedra. Foi fundada em 1009.

Visegrád, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Neste ponto estratégico do Danúbio, o rei húngaro Béla IV construiu a cidadela. Compensadora a maratona dos degraus até aqui, no alto da fortificação.

Visegrád, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Os seus sucessores acrescentaram o palácio, outras ampliações e renovações em estilos gótico e renascentista. Assim, na parte mais baixa, a torre de Salomão — 1258 — em forma hexagonal é imponente, tendo uma pitada exótica por ter aprisionado Vlad Țepeș, o Drácula.

Visegrád é mesmo uma Fênix — a ave da mitologia grega que renasce das próprias cinzas. Os húngaros reconstruíram-na após a invasão mongol. O cruel império Otomano ocupou a região entre 1544 e 1685; todo o complexo foi destruído, ficando soterrado até 1867, quando começaram as escavações e a restauração das edificações. Podemos constatar o admirável avanço arquitetônico ainda do Séc.XIII.

Visegrád ©2009 Hungarian Tourism PLC

Nas imediações, percorremos vilas antigas e bem conservadas, onde moraram, por muito tempo, alemães, russos e ucranianos. É reconfortante pensar que, pelo menos, houve um lugar onde a convivência pacífica entre os vizinhos era o valor mais importante do que cor, etnia ou credo.

Hoje o vilarejo Visegrád, a 40km de Budapest, com menos de 2000 habitantes, tem bons hotéis e agradáveis termas onde a gente recupera a alma!

Visegrád, Lepence Spa – Copyright©2015 Mr. Zsezo

Budapest — Hungria

Budapest é lindíssima, elegante e culta, sendo indescritível o melhor é vir cá… um lugar inesgotável. Fazendo uma exceção às grandes capitais, voltaria mil vezes em mil vidas…

Budapest, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

O Danúbio desliza em direção a Budapest. É uma boa oportunidade para ler, na pequena e silenciosa biblioteca do Rousse Prestige, sobre a cultura búlgara. A contribuição da Bulgária ao mundo das artes é riquíssima, com as mais variadas manifestações desde a antiguidade. O recreio, todas as tardes, é acompanhado de café, bolos e tortas deliciosos. Uma tentação!

Pela manhã, aportamos em Komárno/Komárom, uma cidadinha muito agradável de 1215.

Komárno, Eslováquia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Situa-se entre a Eslováquia e a Hungria; daí o uso simultâneo das duas línguas. É uma novidade a diferença dos sons.

Komárno, Eslováquia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Ao entardecer, assistimos no deck Budapest vir surgindo bem devagarinho; os subúrbios, os palácios…

Budapest, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

…as esculturas encarapitadas nos morros arredondados e as pontes!

Budapest, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Intrigantes obras de engenharia, as pontes denominam as partes de Buda e Pest; são, também, uma amostra da arte que permeia toda a cidade.

Finalmente, o parlamento; surpreendente, como se fosse a primeira vez! Chega a ser irreal sob o lusco-fusco…

Budapest, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Rousse, depois de uma baliza precisa, com milimétricas manobras, ancora em um cais do centro e ficamos por três dias. Desta vez, subimos ao Monumento da Vitória — uma escultura da deusa Nike (nome grego, pronuncia-se “NÍque”) — e, lá de cima, uma visão panorâmica.

Monumento da Vitória, Budapest, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

A cidade parece cuidar bem do meio ambiente. O Monte Janos é coberto de floresta; uma área muito agradável delimitada para passeios a pé, de bicicleta e a cavalo.

János Hegy, Budapest, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

No topo, Erzsébet-kilátó, a Torre “Sissi” — aquela dos filmes — construída em 1911 e restaurada em 2005.

Erzsébet-kilátó, Budapest, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

teleférico Libegő proporciona uma divertida volta à cidade.

Zugligeti Libegő, Budapest, Hungria – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Maravilhoso e invejável exemplo é a tolerância zero para a combinação volante-e-bebida. Pelas leis húngaras — sim, são cumpridas! — o carro é apreendido imediatamente quando o bafômetro dá positivo. O motorista faltoso fica suspenso por um tempo, terá de refazer os exames como se fosse a primeira vez, além de pagar pesadas multas. Aqui já está incorporada a bem-humorada idéia:

motoristas podem beber, somente, a “cachaça de gato” — Katzenschnaps — isto é, LEITE!

A propósito, é incompreensível a aceitação passiva e leniente pelo povo e legislação brasileiros das contínuas e criminosas infrações de trânsito.

Todos a Bordo — rumo Bratislava

Ainda em Passau-Alemanha, vivenciamos um aspecto curioso da cultura bávara: o costume de pesar na balança aquele canecão de louça com cerveja e tudo, porque o cliente não pode conferir visualmente o nível da bebida. Aqui, também, os rios Inn e Ilz se juntam ao Danúbio e formam este mosaico flutuante.

Passau, Alemanha — autor desconhecido

O Danúbio, agora, atravessa a Áustria. A cada lado, uma surpresa de uma revoada de pássaros… torre em ruínas… uma elegante casa-de-rio… gente aproveitando o verão…
A água mansa traz calma e leveza. Tudo — toda a vida! — vai ficando para atrás… pode ser relaxante até deMais para quem costuma associar viagem à compra, à movimentação constante, à turma de amigos ou de familiares.

Danúbio – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Toda viagem é um processo diferente e somos — ou deveríamos ser — um outro novo passageiro a cada vez!
Uma viagem pode ser, simplesmente, um impulso, um bate-volta, uma promoção “imperdível”, um recreio ou um convite; pode levar ao nada ou à reflexão; representar busca, fuga ou mudança de rumo; ser um momento especial de abraçar um amigo, reatar laços ou desprendê-los… em resumo:

qualquer viagem é uma peregrinação
ao céu ou ao inferno.

Neste momento — a primeira noite no Danúbio — não há outro barco, apenas o Rousse singrando silencioso o rio sob o céu estrelado. É a oportunidade ímpar de “ouvir e de entender estrelas”, no insight de Bilac.

O primeiro porto é Bratislava, capital da Eslováquia. Do outro lado, a Hungria. O cais é este aí, bem central.

Bratislava, Eslováquia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Bratislava já teve nome alemão — Pressburg —, fez parte do Reino Húngaro se tornando capital, onde dezenas de reis e imperadores foram coroados — 1536 a 1830 — na tradicional catedral de São Martinho. A ocupação comunista, em 1949, findou com a queda da URSS em 1993, quando da divisão da Tchecoslováquia, surgindo então a República da Eslováquia.

A caminhada até o centro histórico — Staré Mesto — é através de prédios antigos, praças e jardins bem cuidados; partes da antiga muralha, entorno medieval da cidade, estão conservadas e acrescentam um charme a esta cidade nobre. Vê-se aqui cuidadosa restauração e conservação do elegante estilo arquitetônico.

Bratislava, Eslováquia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Bratislava, com 450 mil habitantes, ainda se recupera das mazelas do comunismo. É muito limpa; quarteirões fechados com agradáveis cafés e cervejarias. Singulares e belíssimas esculturas espalhadas pela cidade…

Bratislava, Eslováquia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

…algumas incomuns e adoráveis:

Bratislava, Eslováquia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

O nível de escolaridade é muito bom; por exemplo, Jan, o jovem guia, fala fluentemente cinco idiomas. Por todo lado é visível o florescimento da cultura e das artes. Uma casa antiga se transforma em belo mural:

Bratislava, Eslováquia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Ao longo do Danúbio, até aqui, há 12 eclusas, magníficas obras de engenharia hidráulica. São “elevadores” para navios, quando há um desnível no curso d’água. A eclusa funciona sem necessidade de bombas, aproveitando o próprio peso da água. Ops! Agora mesmo nos aproximamos de uma. Vou voando até o deck, aproveitar o espetáculo inusitado!

Deixa o Danúbio te levar…

O rio Danúbio é o coração histórico da Europa, além de fonte de água potável. Inestimável presente para uma dezena de países. Culturas milenares, os mais diversos costumes, lendas e canções são ligados e enriquecidos pelo fluxo deste belíssimo rio-mundo.

O Danúbio nasce na Alemanha e deságua no Mar Negro. O delta, com 5.800km², é o maior e mais bem preservado da Europa; a maior parte fica na Romênia (Tulcea), e a margem esquerda na Ucrânia. O Danúbio foi a rota de reis e imperadores desde os tempos romanos.

M/S Rousse Prestige – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Esta viagem começa com o vôo Lisboa—Munique. Daí, em confortável trem, para Passau — o porto do navio Rousse Prestige (Русе Престиж) da companhia Phoenix. Neste navio de bandeira búlgara o idioma oficial é o alemão, o segundo é o inglês. Nossa agência de viagem, Antakarana, é dirigida pelo experiente Nikolas Albrecht.

Hotel König, Passau – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Pernoite no Hotel König, uma caixa de surpresas. A entrada antiga e feia leva a um estiloso elevador dourado que se abre à recepção espaçosa, com sofás aconchegantes e atenciosa atendente em trajes típicos bávaros. Os apartamentos muito limpos, bonitos e confortáveis, de onde se sai para um agradabilíssimo jardim cheinho de flores de todos os tipos e para a cidade velha.

O café da manhã, além da louça primorosa, os utensílios de alpaca ou prata, guardanapos com belas estampas, é muito farto, variado e delicioso. Este serviço é um ponto alto e tradicional na hotelaria alemã.

Passau – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Aqui em Passau, bem pequena, muito antiga e elegante, pode-se comer o saboroso fígado de porco, o tal “Schweineleber”; contornar os jardins em volta o espelho d’água na praça cheia de árvores; ouvir os sinos do Domo, cujas badaladas nos imobilizam e nos transmitem uma sensação incomum.

O Rousse zarpa em direção ao delta às 15:30, o momento tão esperado. Gosto muito disso! É sempre uma primeira vez! O navio é bem confortável, a tripulação uma gentileza só. A curiosidade instiga correr por todos os cantos do navio, logo a seguir; é uma descoberta de agradáveis surpresas. A principal é o spa com as águas refrescantes e convidativas. Irresistível o mergulho já!

Biblioteca, M/S Rousse Prestige – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Estes “barcos” de rio são relaxantes, as margens, trazendo surpresas, estão ao alcance da mão. Num cruzeiro interessa, claro, os portos onde se fazem os passeios, mas as atividades, o espaço, a biblioteca, o lazer até o próximo fazem toda a diferença. Nada de malas, estacionamento, GPS, etc. etc.; nem queremos lembrar!
É muito bom ter um guia à disposição, uma equipe competente organizando horários, passeios, jantares… a nossa parte é tão somente receber a beleza da paisagem, aproveitar o tempo à nossa disposição.

O jantar de boas vindas — como todas as refeições — é excelente, com os cinco pratos de protocolo, incluindo o vinho. A mesa com flores naturais, toalhas adamascadas, garçons simpáticos e atenciosíssimos. Neste cruzeiro compartilhamos a mesa com dois casais bem humorados e, por sorte, transformamo-nos todos em amigos de infância.

Danúbio – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

É uma ótima sensação subir ao deck de manhãzinha e avistar um castelo, uma vila, um bando de pássaros. Neste cruzeiro pelo Danúbio o sonho começa quando a gente acorda.