Domingo de Maio

Porto de Buenos Aires – Copyright©2006 Rainer Brockerhoff

…no livro da vida
as páginas do tempo nos aguardam
cheias de mistérios.

As páginas e o tempo
estão disponíveis
para os desejos
à espera
de impulsos
da ousadia de transgredir
da capacidade de ultrapassar.

As páginas
assim como todos os dias
serão preenchidos com seiva
lágrimas suor força…
cada um de nós usará a tinta das veias
para colorir umas e
outros…

Copyright©2001 Maria Brockerhoff

Fim de Linha

a gente quer segurar o passado
a surpresa da sintonia
os volteados da dança

as corridas na areia
os olhares sem palavras
os encontros completos

engano puro
o passado é lacrado
o afeto ficou
     distante
     vencido

hoje a conversa é caricatura
as lembranças distorcidas
machucam o presente

hoje temos nada
inútil buscar os laços
     lá longe

deixemos assim
as lembranças permanecem.
Agora entre nós somos ninguém…

Copyright©2022 Maria Brockerhoff

Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

A Mosca na Sopa

A repetição irrefletida de citações, poesias, letras de músicas e, até, fatos cria disparates.
Algumas pérolas:

  • a primeiríssima do hino nacional uvirundum — um clássico!
  • batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão
    Popular – esparrama pelo chão
  • quem não tem cão, caça como gato.
    Popular – caça com gato.
  • corro de burro quando foge.
    Popular – cor de burro quando foge.
  • Elis Regina: mas é você que ama o passado e que não vê
    Popular – mas é você que é mal passado
  • Paralamas do Sucesso: entrei de gaiato no navio.
    Popular – entrei de caiaque no navio.
  • Djavan: amar é um deserto
    Popular – amarelo é o deserto.

O nosso Drummond não escapou: hoje é domingo pede cachimbo…
Popular – hoje é domingo pé de cachimbo.
Quantos pés de cachimbo existem no quintal?
Domingo pede cachimbo, como pede descanso, pede calma.

Inclui-se nestas esquisitices a expressão “a sopa no mel” sem significado ou sentido.
A origem desta idiossincrasia está no provérbio português:

sopa de mel não se faz para boca de asno.

Este, sim, rico em significado e fina ironia. Com a troca da preposição de por no a voz do povo misturou tudo e deu lambança.

Raul Seixas botou a boca no mundo:
eu sou a mosca que pousou na sua sopa…
uma forte metáfora no contexto político-militar.

A expressão a mosca no unguento já se usava na Grécia, final séc.XIX, para assinalar um defeito, incômodo ou gafe para estragar plano perfeito ou… quase. Este sentido permanece em várias outras línguas na variação a mosca na sopa.
Há centenas de charges, de tiradas inteligentes. Aqui uma versão:
A mosca — “garçon, tem um humano na minha sopa!”

Autor não identificado

A abelha no mel significa atração, imã, o equivalente a peixe na água:
• na feira, os visitantes caíram como abelhas no mel;
• as mulheres acorriam à liquidação de sapatos como abelhas no mel.
Lô Borges, Paula Fernandes cantam: “feito abelhas no mel”.

Agora, a escolha certa na situação concreta
a mosca na sopa
a abelha no mel

jamais sopa no mel.

A Lição do Pequi

O pequi tem cabeça dura
— faca martelo pedrada —
         nada o fura
naquele momento amadurece
se abre fácil
em estrela de cinco pontas e
oferece o fruto dourado
         perfuma o cerrado

Spa Edy Mafra, Lagoa Santa – Copyright©2021 Rainer Brockerhoff

Tem gente também assim
         com o tempo
— salgadas as feridas
         temperados os desencontros —
desabrocha bem sortida
armada para a lida…

Spa Edy Mafra, Lagoa Santa – Copyright©2021 Rainer Brockerhoff

Música, divina Música — Millôr

Copyright©2012 Wen Wei Sum (Creative Commons)

Tanto duvidaram dele, da teoria daquele jovem gênio musical, que ele resolveu provar pra si mesmo, empiricamente, a teoria de que não existem animais selvagens. Que os animais são tão ou mais sensíveis do que os seres humanos. E que são sensíveis sobretudo ao envolvimento da música, quando esta é competentemente interpretada.

Por isso, uma noite, esgueirou-se sozinho pra dentro do Jardim Zoológico da cidade e, silenciosamente, se aproximou da jaula dos orangotangos. Começou a tocar baixinho, bem suave, a sua magnífica flauta doce, ao mesmo tempo em que abria a porta da jaula. Os macacões quase que não pestanejaram. Se moveram devagarinho, fascinados, apenas pra se aproximar mais do músico e do som.

O músico continuou as volutas de sua fantasia musical enquanto abria a jaula dos leões. Os leões, também hipnotizados, foram saindo, pé ante pé, com o respeito que só têm os grandes aficionados da música. E assim a flauta continuou soando no meio da noite, mágica e sedutora, enquanto o gênio ia abrindo jaula após jaula e os animais o acompanhavam, definitivamente seduzidos, como ele previra.

Uma lua enorme, de prata e ouro, iluminava os jacarés, elefantes, cobras, onças, tudo quanto é animal de Deus ali reunido, envolvidos na sinfonia improvisada no meio das árvores. Até que o músico, sempre tocando, abriu a última jaula do último animal – um tigre.

Que, mal viu a porta aberta, saltou sobre ele, engolindo músico e música – e flauta doce de quebra. Os bichos todos deram um oh! de consternação. A onça, chocada, exprimiu o espanto e a revolta de todos:

– Mas, tigre, era um músico estupendo, uma música sublime! Por que você fez isso? E o tigre, colocando as patas em concha nas orelhas, perguntou: 
– Ahn? O quê, o quê? Fala mais alto, pô!

MORAL: OS ANIMAIS TAMBÉM TÊM DEFICIÊNCIAS HUMANAS.

Millôr Fernandes, autodidata, é um dos maiores jornalistas e chargistas da imprensa brasileira, século XX.
Carioca do Méier, Milton Viola Fernandes foi registrado como Millôr devido a uma dúvida na caligrafia. Na revista O Cruzeiro publicava sob o pseudônimo Vão Gôgo! Inteligentíssimo, como o demonstra o seu senso de humor.
A vastíssima escrita de Millôr é atemporal, como toda obra-prima.

2021 Delivery

Painel ©Copyright Isidoro Esposito
fotografado em Rossano, Itália 2018 – Rainer Brockerhoff

Neste mundo à mingua
de silêncio e
abarrotado de whatsapp,
os rabiscos de pedidos.
Entrega imediata:
— calma
para estar no presente
— o toque
de despertar nas fibras do peito
— a surpresa
de rever o mar como na primeira vez
— abraços
inteiros de corpos ensaboados
com cravo e canela…

PS …e a sua lista?

Copyright©2020 Maria Brockerhoff

Outono

Paris, França – Copyright©2009 Rainer Brockerhoff
A estação do equilibrista:
entre o verão e o inverno
entre o céu e o inferno.

É o ponto saboroso
entre o pecado e a lei.
Nem escravo nem rei!

Copyright©2019, 2020 Maria Brockerhoff

Alforria

Em 2014 as Erínias captaram a linguagem eloquente da foto do jovem príncipe… hoje, com o seu grito de liberdade, confirmou-se a intuição certeira do poema…

Embed from Getty Images

Caiu um príncipe
no buraco fundo
da copa do mundo.
O elegante rapaz
atraiu muita gente
batedores, holofote.
Teve brilho fugaz
o nobre filhote.
Cercado de menina
de mídia cretina
certamente o pobre Harry
trocaria a própria sina
— do pé à medula —
pela alegria simples
do moleque-gandula…

Copyright©2014 Maria Brockerhoff