Lanzarote — Montanhas de Fogo

Lanzarote, mais de 140 mil habitantes, capital Arrecife, abrange também três ilhotas: La Graciosa, Isla de Montaña Clara e um refúgio de pássaros na Isla de Alegranza. Os navios de cruzeiro aportam no Puerto Los Mármoles, a 4km do centro da cidade. Lanzarote é a ilha dos vulcões adormecidos onde a lava corria para o mar.

Los Hervideiros, Lanzarote – Copyright©2016 Barni1, Pixabay

A criatividade de César Manrique transformou as lavas vulcânicas em obras de arte como os Jameos del Agua. São buracos num tubo de lava de 6 km, formado há 4000 anos, com a erupção do vulcão La Corona. Há dois pontos onde o teto do tubo sofreu um colapso:

Jameos del Agua, Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

Na parte intacta do tubo, um pequeno lago subterrâneo abriga pequenos caranguejos cegos, os jameitos, encontrados apenas aqui. Jesús Soto projetou o acesso e um auditório na Cueva de los Verdes, que está no mesmo tubo de lava do La Corona, próximo aos Jameos:

Cueva de los Verdes, Lanzarote – autor desconhecido

O salão principal do restaurante subterrâneo Monumento al Campesino, em uma caverna de basalto, é redondo, com luminosidade de uma manhã de verão, muito bem ventilado através de skylights e velas de barco refletoras. Todos os caminhos atravessam as lavas:

Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

Um antigo forte, abrigo de canhões — o Mirador del Rio, norte da ilha — foi transformado por César Manrique, Jesús Soto e o arquiteto Eduardo Cáceres. A natureza, numa brincadeira, tirou do mar um braço de água, tão estreito que é chamado simplesmente de El Rio, separando Lanzarote da ilha La Graciosa. Este mirante é considerado uma das construções mais impressionantes do mundo. Aqueles gênios criaram este ponto de observação a 479 m de altura.

El Rio e La Graciosa, Lanzarote – autor desconhecido.

Todas as palavras e imagens são desbotadas… diante desta ilha. Se, entre todos os lugares especiais desta Terra, tivéssemos que escolher apenas um, não hesitaríamos: voltar a Lanzarote.

Lanzarote

…é uma das 7 Ilhas Canárias, a 100 km da costa oeste africana, onde as garras ambiciosas da colonização espanhola chegaram em 1402. Lanzarote é fascinante! É compreensível a escolha de José Saramago de morar neste paraíso. Uma erupção de dezenas de vulcões novos durou 6 anos — 1730 a 1736 — trazendo à ilha os mais variados relevos, cores e formas.

Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

As casas são brancas, janelas e portas, em geral, verdes ou azuis; os telhados são recurvados para colher as águas da chuva… isto porque não há rios, lagos, nada; nem água potável própria. A água do mar é dessalinizada, havendo aproveitamento do vapor da água para as plantações, inclusive com jardins cheios de palmeiras e cactus cujos frutos são comestíveis. Tudo isso rodeado por uma paisagem lunar.

Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

As hortaliças são protegidas em canteiros semicirculares cercados de pedra vulcânica; a população aproveita tudo da lava/basalto, inclusive como adubo.

Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

O Parque Nacional de Timanfaya é inimaginável. Lá moram os vulcões em crateras aveludadas. As erupções cavaram tubos de lava sob a terra e o genial César Manrique adaptou-os, tornando-os belíssimos e ajardinados. Manrique foi engenheiro, artista, pintor, escultor, arquiteto, visionário e muito mais — além de bonitão.

Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

Manrique foi um ecologista nato e graças às suas idéias avançadas, até hoje, a ilha não permite outdoors, neon, placas, nenhuma dessas pragas do marketing e da propaganda. Em Timanfaya as rochas escaldantes são um espetáculo único: logo abaixo da superfície, o calor é suficiente para assar comida, fazer aparecer, como milagres, fogueiras e geisers do fundo da terra.

Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

Por toda a ilha há esculturas e aproveitamento de espaços planejados e executados pelo grande Manrique. Este visionário — assim como Gaudí — morreu prematuramente, aos 73 anos, num acidente de trânsito. Estes homens grandes, simples e ousados, ainda, sustentam o mundo.

Lecce — Sul da Itália

Na península Salentina, antiga Grécia, entre os mares Adriatico e Ionio, Lecce guarda tesouros em estilo barroco. A Chiesa di Santa Croce, construída entre 1353 e 1695:

Chiesa di Santa Croce, Lecce – Wikimedia

Por aqui, andou o imperador Adriano no século II. Os primeiros habitantes vindos da ilha de Creta. A influência grega conserva-se através de um antigo dialeto griko, ainda vivo. Na Piazza Sant’Oronzo o anfiteatro romano para 25 mil espectadores:

Piazza Sant’Oronzo, Lecce – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Grande porção deste anfiteatro ainda está semi-enterrada sob a praça. Em volta, a riqueza das ruínas…

Piazza Sant’Oronzo, Lecce – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

…da catedral / Duomo…

Piazza del Duomo, Lecce – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

…das esculturas:

Piazza Sant’Oronzo, Lecce – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Descobrimos Lecce no filme Mine Vaganti — Ferzan Özpetek, 2010 — e resolvemos conferir. No filme, apenas uma amostra. Ao vivo, edificações e esculturas na cor enigmática da pietra leccese; uma rocha calcárea maleável com reflexos dourados.

Lecce, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

No enredo de Mine Vaganti há um enterro solene; coincidentemente, agora na Piazza del Duomo presenciamos um outro…

O caffè Leccese gelado leva leite de amêndoas. Na Trattoria di Nonna Tetti um jantar cinque piatti da melhor qualidade. Lecce é um centro agrícola produtor de vinhos e óleo de oliva. Até num canteiro da piazza, uma valente oliveira.

Piazza Sant’Oronzo, Lecce – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

O extremo sul da Itália ainda é, relativamente, pouco divulgado, para a sorte e conservação da cultura e do patrimônio. Lecce está no “fim de linha” do trem da costa sul da Puglia; a conotação aqui é surpreendentemente inversa!

Vilarejos Italianos — Gerace

Está, merecidamente, incluído na lista dos lugarejos mais belos da Itália: Gerace, no topo, mostra lááá embaixo a Calabria banhada pelo azulíssimo mar Ionio / Jonico. Aliás toda a costa-sul aproveita fartamente o sol, esta matéria-prima de país tropical.

Sul da Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Com, aproximadamente, 3 mil habitantes, Gerace conserva as antiquíssimas e maciças construções de pedra…

Catedral de Gerace, Itália – autor desconhecido

…um curioso detalhe na fachada da catedral…

Catedral de Gerace, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

…o toque romântico da celebração de um casamento, no qual fomos penetras…

Catedral de Gerace, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

…e mais a secular Chiesetta di San Giovanello:

Igrejinha de San Giovanello, Gerace – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Chegamos pouco depois de uma chuva torrencial e a cidadinha nos recebeu de alma lavada. Vinhos cuidadosamente produzidos aqui e acolhedores cafés completam as boas-vindas após a chuva. Para chegar à praça pode-se escolher entre boas pernadas morro acima e o pitoresco trenzinho da mamma.

Gerace, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Na costa oeste da Calabria a enigmática Sicilia, logo ali depois do Estreito de Messina. O antigo e polêmico projeto da construção de um viaduto, unindo a ilha ao continente, aquece discussões ruidosas. A obra estimada em €5 bilhões (!) valerá o benefício?

Creative Commons, Wikimedia

De uma outra vez, subimos o monte Etna, na costa leste da Sicília, para um inesquecível mergulho num dos cones secundários do vulcão. Uma “craterinha” calma e receptiva — naquele momento!

Etna, Sicília — Copyright©2004 Rainer Brockerhoff

As lavas decompostas tornam as terras da zona baixa muito férteis, multiplicando as colheitas de olivas, uvas e, principalmente, limões.

Em dezembro de 2018, um Etna forte ilumina e espanta o mundo:

Etna, Sicília – Copyright©2018 Andrea Mirabella

Vilarejos Italianos — Stilo

Encravado no monte Consolino, a 150km de Reggio Calabria, sul da Itália, o elegante mosteiro Cattolica di Stilo:

Cattolica di Stilo, Italia – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

…representa, desde os gregos, a idéia universal da união de crenças quebrada pelo grande cisma da igreja católica em 1054. Aqui, em Stilo, nasceu — 1568 — Tommaso Campanella, dominicano, filósofo, poeta, teólogo; preso e torturado pela inquisição romana por defender avançadas idéias políticas de paz e justiça.

Cattolica di Stilo, Italia – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

O gracioso mosteiro, em estilo bizantino do século IX, erguido com as pedras de Kaulon, uma colônia grega de 1200 a.C., foi restaurado e conserva partes de preciosos afrescos.

Cattolica di Stilo, Italia – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff
By Marcuscalabresus – Creative Commons

As valiosas ruínas de Stilo nos trazem uma sensação inusitada de atemporalidade…

Cattolica di Stilo, Italia – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Vilarejos Italianos — Calabria

Gerace, Stilo, Santa Severina — estes burgos quase intocados, perdidos no sul da Itália, são muito especiais. Na Calábria, a costa belíssima é banhada pelos mares Tirreno e Ionio.

Por aqui passaram gregos — Magna Grécia — romanos, suábios, aragoneses, normandos; daí a diversidade em cada canto. A estrada serpenteia à beira de plantação de olivas, de cedros e da adorável bergamota: uma mistura de limão e laranja azeda que se multiplica em chás, doces, licores. Da casca se extrai o óleo essencial para perfumes, principalmente Eau de Cologne, lançado na Alemanha no século XVIII.

Numa volta surge, lá em cima, Santa Severina, apelidada “la Nave de Pietra”:

Santa Severina, Itália – © Fondazione Calabria Film Commission

O vilarejo exibe o estilo bizantino cujo império permaneceu até 1076.

Santa Severina, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

O batistério do século VII:

Santa Severina, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Entre as curvas de uma estradinha, uma apetitosa surpresa: Azienda Agrituristica Le Puzelle. O jovem empreendedor, Sergio, parece estar totalmente envolvido com o próspero negócio da família. Já morou no Brasil, tem pousada em Florianópolis.

Le Puzelle, Santa Severina – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Quer desenvolver o agro-turismo, aproveitando a falta de transporte regular na região e a distância dos grandes centros como um atrativo. O turismo em massa traz, sabidamente, desvantagens a longo prazo. Vale descobrir todas as delícias italianas e o melhor cappuccino… do mundo!


2019…

Montorio, Itália – Copyright©2014 Rainer Brockerhoff

…é tempo de romper o círculo
encerrar o ciclo
e… aproveitar o circo!

Copyright©2019 Maria Brockerhoff

Alberobello — a Capital dos Trulli

No sul da Itália — “calcanhar da bota” — a intrigante cidadinha de Alberobello com as torres de pedra. Trulli, plural de trullo, vem do grego, significa cúpula.

Alberobello, Itália – Copyright©2016 Gianfranco Vitolo

Antigamente, essas engenhosas construções de pedras calcárias, empilhadas sem argamassa, abrigavam os camponeses durante a colheita de azeitonas. Com destreza, os trulli eram desmanchados e reconstruídos rapidamente. Assim, os coletores de impostos do rei de Napoli eram enganados: deparavam com montes de pedras sobre as quais não incidia cobrança. Às costas dos fiscais os trulli eram reerguidos.

Alberobello, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

A região de Alberobello, a 55km de Bari, é solo fértil para a plantação de oliveiras muito elegantes… …e idade de Matusalém.

Masseria Valenti, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

As oliveiras — a planta macho — são em número bem menor; então, planta-se uma oliveira macho e em volta uma dezena de oliveiras fêmeas para facilitar a polinização.

A habitação em trulli remonta a mil anos. O formato em cone é apropriado para a coleta de água de chuva em cisternas. O interior se mantém fresco e agradável. O centro antigo é recortado por escadarias, ruelas e lojinhas.

Alberobello, Itália – Copyright©2016 Eduard Marmet
Alberobello, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Excelentes hotéis e restaurantes modernos em estilo trulli:

Alberobello, Itália – Copyright©2016 Claudia Liechavicius

Diante destes imponderáveis trulli fica patente o poder criativo dessa gente campesina em transformar inóspitas pedras em abrigo. Alberobello é mais uma grata surpresa por estas antiquíssimas bandas italianas.

Matera — a Cinderela da Itália

Um lugar muito diferente surgiu lá no alto! Chegamos a uma praça com o piso claro e brilhoso, torres, balcões, escadarias… tudo de pedra. Nem sempre escolhemos roteiros em detalhes; ver fotos antecipadamente, nem pensar. A recompensa é a sensação indescritível desta surpresa: Matera.

Matera, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff
Piazza San Giovanni, Matera – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Nunca ouvíramos sobre a cidade dos Sassi — pedras em italiano — situada em Basilicata, no “tornozelo” da bota a 70km de Bari, habitada há mais de 12 mil anos. Os Sassi são cavernas habitadas desde o período paleolítico e se dividem em Sasso Caveoso e Sasso Barisano.

Cavernas Paleolíticas, Matera – Copyright©2015 Revol Web

Antigamente, as condições de vida nos Sassi eram miseráveis: doenças, sujeira, absoluta falta de higiene. Em 1944 o escritor Carlo Levi denunciou ao mundo, no livro Christ Stopped at Eboli, os horrores de um inferno de Dante. Há um filme com o mesmo título, de 1979; o significado é de o cristianismo e a civilização jamais terem ido além da cidade de Eboli, onde viviam os excluídos pela pobreza.

Nas décadas de 1950 e 60 os Sassi foram considerados um insulto à República daí, depois de planos, projetos e reviravoltas, iniciaram a evacuação, restauração e o saneamento — década de 1990. Inevitável, nestes casos, o dramático impacto da mudança, a perda de laços afetivos e as dificuldades de adaptação. Contudo o saldo é altamente positivo: as cavernas revitalizadas são um centro cultural efervescente com museus, artes e desenvolvimento.

Sasso Barisano, Matera – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Em Matera foi filmado, entre outros clássicos, A Paixão de Cristo de Mel Gibson. A cidadinha já recebe 600 mil visitantes por ano. As cavernas abrigam, com conforto, bons restaurantes, hotéis…

A nossa caverna, o Hotel Sassi – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

…residências, dezenas de B&B, lojas:

Matera – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

A magnificência da Cattedrale della Madonna della Bruna e di Sant’Eustachio data de 1230.  Há centenas de igrejas rupestres. O valor artístico e histórico dos afrescos é inestimável. Aqui a Igreja de Santa Maria de Idris:

Chiesa di Santa Maria di Idris, Matera – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

…em uma das incontáveis escadarias uma pitada do estilo italiano:

Centro histórico de Matera – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Matera, de andrajos e de extrema carência, transformou-se em Cinderela cheia de originalidade escolhida capital européia da cultura em 2019.

Suiça — Grand Train Tour

Aqui os Alpes ficam aos pés da cama… não, não é exagero. Ao acordar, esta montanha maciça enche-nos os olhos.

Grindelwald, Suiça – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

É a primeira imagem de Grindelwald. Nesta época, início de primavera, fora de temporada de esqui, muitos hotéis se fecham e a cidadinha se oferece, principalmente, para turistas asiáticos.

Grindelwald, Suiça – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

O roteiro é muito bem organizado pelo Switzerland Travel Centre a partir de Zürich, banhada pelo rio Limmat, às margens do lago Zürichsee.

Zürich – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

O Hotel Wellenberg em Zürich é central, atendimento perfeito. Na universidade — fundada em 1833 — uma das mais avançadas da Europa, o Museu de Zoologia é espetacular. Este exemplar de preguiça gigante, um animal pacífico, viveu nas Américas há 20 mil anos.

Megatherium Americanum, Campus, Zürich – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Aqui, a criançada tem a oportunidade única de alargar a mente, de descobrir os próprios talentos. O restaurante universitário é de alto nível. O campus é um jardim só:

Campus, Zürich – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

A rota inicial: Zürich / Luzern / Giswil / Interlaken Ost / Grindelwald em trens panorâmicos. Não se pode cometer a heresia de descrever fotos ou paisagens; estas, no real, são absorvidas pelos poros ou reduzidas a selfies.

Giswil, Suiça – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff
Giswil, Suiça – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff
Brienz, Suiça – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Em Grindelwald o Hotel Eiger Selfness é um village, com jardins internos, estrutura completa de fitness, sauna e spa. Aqui é o embarque no trem amarelo para Jungfraujoch, um passo elevado entre os montes Mönch e Jungfrau. A cremalheira nos trilhos foi especialmente projetada para trechos íngremes.

Kleine Scheidegg, Suiça – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Alcança-se o topo em 78 minutos. Através de um túnel chega-se a um edifício gigantesco embutido na rocha com restaurantes, exposições, lojas, histórico da dificílima construção — 1896 a 1912 — e um palácio de gelo.

Jungfraujoch, Suiça – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Jungfraujoch é, mesmo, inimaginável para nós dos trópicos…

Jungfraujoch — Wikimedia Commons