Zimbabwe — As Cataratas… a pé

De longe, já se ouve o som tonitruante das águas do rio Zambese. O parque está bem preservado, a vegetação é densa e um altivo Livingstone contempla do pedestal a sua descoberta mais famosa. Há um projeto do governo para mudar o nome de Victoria Falls para Mosi-oa-Tunya, denominação original em língua Tonga.

As cataratas de Iguaçu, Victoria e Niágara estão na lista das modernas maravilhas do mundo. Se houvesse uma única possibilidade para apenas uma viagem em toda uma vida, uma daquelas seriam a opção possível. São incomparáveis. Então, se você ainda não esteve em Iguaçu, vá correndo! Está alííí, ó… ser brasileiro e não se presentear com as nossas cataratas é peccato.

Há vários pontos de observação e as formações de pedra e cataratas principais recebem os apelidos:

Devil’s CataractMain FallsRainbow Falls (a mais alta) e Eastern Cataract.

Em duas horas — poderia ser muuuito mais!  — vamos percorrendo as margens e o espetáculo das águas atinge, num crescendo, uma beleza inimaginável. A força tão grande da queda faz “chover” em toda a área. O spray d’água, colorido por arco-íris, dificulta fotografias. Cautelosos turistas — vão se derreter? — se embrulham numa capa impermeável. Perdem uma sensação maravilhosa:

o prazer de deixar os pingos grossos e mornos encharcar nossas roupas e lavar a alma!

 

Zimbabwe — As Cataratas de Helicóptero

A manhã clara convida para o vôo. É fascinante:

O rio Zambese vem de longe, espraiado, mansinho… de repente uma fenda estreita e bem funda. As águas se transformam em roldão forte, camadas imensas de flocos espumantes despencam na gigantesca fratura de 108m de profundidade.
A catarata não forma represa ou bacia, as águas volumosas correm represadas entre os penhascos… o rio serpenteia, preenche o leito em curvas e nos deixa sem fala. O helicóptero pousa… fica dentro da gente este mundo inigualável!

À tarde, cruzeiro no Zambese:

Este dia ainda nos reserva uma agradabilíssima surpresa. Um 4×4 nos conduz, pelas estradas de terra de Zâmbia, até às margens do Zambese. Uma embarcação confortável e simples é apropriada àquele passeio no rio manso e silencioso.
A tripulação atenciosa oferece um coquetel aos poucos sortudos passageiros. Uma alegre interação se deu entre nós: turistas do Sri Lanka, Inglaterra, Austrália, África do Sul, Suíça, Alemanha, Estados Unidos e Brasil.
É possível que aquele rio selvagem, os pássaros coloridos, as florestas às margens distantes, o som das águas tenham proporcionado o ambiente tão harmonioso.
É aniversário de uma passageira e cada um de nós, na própria língua, cantou “Parabéns pra você”. A diversidade de sons, a brincadeira espontânea fizeram aquele momento muito especial. Certamente está guardado na caixa de boas lembranças aquele por do sol no rio africano.

Zimbabwe — As Cataratas

O turismo gira em torno de Victoria Falls, claro! A Rovos Rail — uma companhia ferroviária — é considerada o “orgulho da África”. Este trem-safari percorre vários países ligando-os de norte a sul através das mais diversas paisagens, história e cultura. Victoria Falls é um dos destinos preferidos, com pernoite no hotel.

A viagem pode durar de 3 dias, numa expedição ao Zimbabwe, ou até 34 dias, da Cidade do Cabo ao Cairo. A Rovos Rail é o resultado da obsessão por mecânica de um visionário, que comprou num leilão dois vagões antigos para restaurar e usá-los com a família. Muito trabalho e obstinação transformaram este sonho em sólida empresa. A viagem inaugural, em abril de 1989, foi com uma locomotiva, 7 vagões, 4 passageiros pagantes, amigos e imprensa.

Porém, há um meio mais simples, mais prático de chegar às cataratas de trem. Aqui mesmo, nos jardins do Victoria Falls Hotel, nos mesmos trilhos do Rovos Rail, embarcamos no bondinho muito romântico, serviço de bordo, tapete vermelho e tudo!

Poucos minutos depois, a imigração em Zâmbia. Um dos guias, com túnica e turbante, é o encarregado destas funções, enquanto são servidos salgadinhos, vinhos, água, refri. Os sinuosos trilhos nos levam até a ponte sobre o rio Zambezi — Victoria Falls Bridge — uma obra de arte, um triunfo da engenharia. Gentilmente, o motorneiro pára no meio da ponte e as cataratas entre Zimbabwe e Zâmbia se apresentam num momento mágico, no qual sentimo-nos suspensos…

Podemos perambular e curtir a montanha de água lutando entre os penhascos. Já em Zâmbia, um parque cheio de gibões abriga o centro de visitantes, onde os turistas são recebidos com champagne e guloseimas. Na sala, uma maquete mostra engenhosos detalhes. Somos brindados com a narrativa do engenheiro francês construtor; o jovem Georges Imbault narra todas as peripécias, aventuras, coragem e técnica dos 14 meses de construção da ponte, inaugurada em setembro de 1905.
O carinha está tão bem caracterizado e desenvolve perfeitamente o personagem que chega a confundir uns poucos turistas. Percebem o teatro quando o ator, mostrando a pele do braço, diz: “sou francês, mas estou dessa cor negra por causa do sol de Zâmbia”.

Trazidas as peças fabricadas da Inglaterra, a ponte foi montada, ao mesmo tempo, de ambos os lados, suspensa a 128m sobre o abismo, encaixando-se perfeita e precisamente no centro. Consta não ter havido acidentes fatais durante a obra.

Além da ponte, uma grande atração aqui é o Bungee Jump de 111m. Vimos, com admiração, turistas voando sobre o majestoso rio Zambesi.

Em mais uma cortesia, o motorneiro esperou o sol se por…

Zimbabwe — The Victoria Falls Hotel

The Victoria Falls Hotel” tem uma atmosfera envolvente, com mais de 150 apartamentos em amplas alas interligando jardins, restaurantes, elegantes salões. Há um especialmente para jantares de gala, com orquestra de câmara, onde vestidos longos e smoking são de rigueur. Divertimo-nos muito em observar o requinte… …de uma distância segura! 😉

A entrada principal, em colunas, conduz à vista das cataratas. A gente nem acredita ao ver o chumaço de nuvens de vapor subindo ali bem perto. Da varanda do restaurante a ponte entre Zimbabwe e Zâmbia fica dourada ao por do sol, ao som do piano. Sabe aquela sensação de estar vivendo num filme ou romance de época…?

Salas com mobílias confortáveis se abrem para pátios com fontes, flores e majestosas árvores, incluindo espaço para exposições de arte, jogos e reuniões. Os corredores bem largos, com tapetes grossos e fofos, têm as paredes cobertas com a história do domínio inglês, que sugou o máximo das terras de além-mar. Também lá está a família “imperial” em 1947: a rainha-mãe, a jovem princesa Elisabeth e outras damas em incríveis chapéus, vestidos finos, saltos no meio do mato, às margens das cataratas.

As mangueiras e as árvores centenárias são enormes, debaixo destas florescem begônias, inhame — Colocasia Esculenta — e outras variadas folhagens numa terra preta, fofíssima. Todo o gramado tem exóticas cercas-vivas com frutinhos pretos e exposição de esculturas em pedra.

A piscina, um enorme retângulo de pedras coloridas, tem uma fonte com degraus de cada lado; é funda com fortes duchas laterais. As chaises longues espalhadas em volta atraem bando de macacos que brincam por ali. Um caramanchão abriga um espaço gourmet, principalmente, para churrascos. O vestiário tem piso de mármore xadrez, com todos aqueles mimos cheirosos e cravos naturais. Tudo limpíssimo! Ao fundo, um salão com arcos em estilo árabe, refrescado por ventiladores, oferece altos e macios almofadões. Irresistível não cair em um deles… dormimos profundamente naquele cenário de 1001 noites.

Todos os funcionários do hotel são negros — dos mais simples aos da administração. Aliás, a não ser turistas, não vimos brancos na cidade das cataratas. O pessoal é muito atencioso, bem-humorado; a mistura de etnias — Shona, amaNdebele ou Zulu e Tsonga — parece dar muito certo. Todos recebem, com um grande sorriso e efusivas exclamações, a palavrinha mágica: Tatenda, Siyabonga, Inkomu. Fazemos questão de aprender “obrigado” nas línguas da terra.

Este hotel, construído em 1904, demonstra o luxo, o conforto, a sofisticação que os imperialistas ingleses desfrutaram nestas terras africanas. Pode-se imaginar o deslumbramento dos europeus neste paraíso e daí as histórias, os dramas, a espoliação, o poder…

Zimbabwe — Victoria Falls

O vôo de Johannesburgo a Victoria Falls é de 90 minutos. O desembarque na pequena cidade das cataratas é um refinado exercício de burocracia, durando quase o mesmo tempo do vôo. Chega até a ser cômico:

  • antes de entrar no galpão da imigração, uma farda distribui os formulários para preenchimento, ali de fora mesmo, numa fila que outra farda organiza. Cada passageiro ajeita-se como pode em pé, procura caneta dali, daqui, apoia o papel na mala, na parede, abre/fecha mochila para tirar o passaporte, etc.
  • Aí começa o malabarismo das fardas neste saguão com ventilação e iluminação precárias. Duas fardas andam pra lá e pra cá, outra abre gavetas, mexe, mexe; conversam entre si, saem. Volta outra, liga computador, mexe na gaveta, pega papel, sai. São dois guichês sem funcionário. Um para o pagamento de 30 dólares, outro para apresentar o passaporte. Para isso, uma farda organiza outras duas filas. Uma pessoa fica, pelo menos 10 minutos, em cada guichê. No primeiro paga-se; uma farda sinaliza e troca-se de guichê (!) para o passaporte… dizem as boas línguas que no Brasil já foi assim…
  • Neste ínterim, o senta-levanta das fardas continua em câmara lenta. As longas filas em silêncio, só os olhos se reviram uns para os outros… discretamente. Se alguém esboçar um mínimo gesto de impaciência, a coreografia é interrompida e — bem depois — recomeça-se mais devagar ainda!
  • É muito interessante a demonstração de poder — exercido somente ali — pelo staff da imigração. Compondo o teatro, há uns 3 ou 4 imitadores dos doríforos, parecendo dormir de olhos abertos, imóveis ao fundo. Doríforos eram aqueles soldados ou lanceiros antigos que, em rígida posição de sentido, seguravam as lanças…
  • As malas — uma montanha! — ficam à parte. Vencido o túnel da paciência 🙂 pegamos nossa única mochila e as férias recomeçam!

O pessoal da terra fora do galpão, com um sorriso fácil, é prestativo e gentil. Um grupo de rapazes de etnia Shona, em peles de antílopes como guerreiros, dança e canta vigorosamente. O ritmo é contagiante. O convite para cair na dança é aceito num impulso, para o gáudio/espanto dos turistas europeus! Os guerreiros se alternam para ensinar os passos, as reviravoltas, aí tudo se transforma em risadas e boa ginástica.

Os policiais, na praça, usam um cassetete muito comprido ou um estilingue cuja forquilha termina em uma ponta aguda como uma faca. Isto causa mal-estar e revela o nível de opressão à qual aquele povo cordial está submetido.

Victoria Falls, a vila, é cheia de lojas de artesanato, saias e turbantes coloridos e muitos hotéis. Nas ruas, exposição de esculturas e pinturas exóticas belíssimas.

Zimbabwe — Antiga Rodésia do Sul

O presidente Robert Gabriel Mugabe, 90 anos, está no poder desde 1980. É filho de um carpinteiro e de uma professora. Teve uma boa educação em colégio jesuíta. Os professores o consideravam inteligente e com muitas habilidades. Formou-se em artes, história e inglês na África do Sul, tendo sido professor na atual Zambia.

Em 1980, eleito primeiro-ministro da República do Zimbabwe, Mugabe transformou-se em um homem sedento de poder, usando todos os meios imorais, ilegais, cruéis para se manter “lá”. Perseguiu duramente os brancos, confiscou propriedades, dizimou-os até a dispersão total.

Em 2008 — um exemplo banal — 85 membros do partido de oposição MDC foram assassinados, milhares feridos e presos. Em setembro deste mesmo ano houve uma coalizão com o candidato derrotado, Morgan Tsvangirai, em que o poder sobre as forças armadas e as principais e efetivas decisões ficaram sob o delírio de Mugabe. As fraudes nas eleições são denunciadas continuamente.

Além de ataques a jornalistas, os simpatizantes do MDC ou qualquer voz dissonante sofrem todo tipo de violência e intimidação. Reeleito (?!) em agosto de 2013, com denúncias de inutilização de, no mínimo, 70 mil cédulas a favor da oposição; sabe-se que o resultado não é reflexo da vontade popular.

O eterno Mugabe, diagnosticado há alguns anos com câncer de próstata, já tem planos para as eleições de 2018, nos seus verdes 94 anos! De “messias” salvador do povo contra a ocupação britânica, tornou-se um dos mais impiedosos opressores da África.

Há mais de 4 moedas em circulação; o dólar americano é a oficial, um meio de conter a hiperinflação do extinto dólar nacional. Zimbabwe, uma bela e rica região, tem uma população faminta, sem emprego, uma incontrolável epidemia de AIDS e uma vultosa dívida externa.

A cerâmica, a cestaria, a escultura em madeira e pedra são notáveis. A música africana traz uma emoção forte e contagiante. No Zimbabwe predominam os instrumentos marimba, xilofone, mbira/kalimba — piano de polegar — e os de percussão, num ritmo irresistível.