Borneo — Malaysia

Aportamos na ilha de Borneo, sudeste da Ásia, em Kota Kinabalu, aos pés do Monte Kinabalu, a capital da província malaia de Sabah. A maior parte da ilha pertence à Indonésia, a outra pequena parte é o Sultanato de Brunei.

É uma monarquia parlamentar inspirada no sistema inglês. O rei é eleito entre as nove famílias reais, com mandato de cinco anos. O governo, em atitude avançada e exemplar, tem impedido a devastação das florestas nesta parte insular da Malásia. A praias são limpas, rodeadas de montanhas. Lá também há os dois mundos: uma pequena parte rica da cidade…

Kota Kinabalu, Malaysia – Copyright©2009 Rainer Brockerhoff

…e o povo.

Kota Kinabalu, Malaysia – Copyright©2009 Rainer Brockerhoff

O calor e a umidade lembram Manaus. Aproveitamos uma fonte que, gentilmente, espalha nas imediações uma chuvinha fina e refrescante!

O Museu Sabah é especialíssimo; em exposição as roupas típicas dos noivos; são muitos dias de comemoração e os noivos se transformam em reis, tal a suntuosidade e magnificência! O casamento tem grande importância cultural; ainda representa um negócio entre as famílias. O comum é a situação de submissão feminina, ainda que disfarçada… mais ou menos como nas bandas de cá. Curiosamente, até 1930, o presente de casamento mais festejado: duas cabeças da tribo inimiga. Outro costume, ainda no século XIX, era o oferecimento da primogênita ou da filha mais bonita, mais bem dotada, em sacrifício para que as colheitas fossem fartas.

O Sabah Heritage Center reproduz o modus vivendi dos nativos de diferentes etnias em casas de bambus, tipo palafitas, no meio da mata; estão bem conservadas com utensílios e enfeites.

Kota Kinabalu, Malaysia – Copyright©2009 Rainer Brockerhoff

O templo chinês Pu Tuo Si, construído em 1980, e seus jardins tropicais.

Kota Kinabalu, Malaysia – Copyright©2009 Rainer Brockerhoff

A Guanyin (mãe-Buda) é enorme; faz bem contemplá-la, transmite boa sensação de serenidade.

Kota Kinabalu, Malaysia – Copyright©2009 Rainer Brockerhoff

O pedestal simboliza a flor abundante da região, o lótus sagrado:

Kota Kinabalu, Malaysia – Copyright©2009 Rainer Brockerhoff

Um momento muito agradável foi no mercado de Kota Kinabalu quando conseguimos, com a ajuda de outros feirantes, decifrar, entre boas risadas, a proveitosa lição de uma senhorinha malaia:

…pode ter crocodilos num lago de águas calmas…

Devil’s Tower — Estados Unidos

A Torre do Diabo situa-se em Wyoming na fronteira de Montana e South Dakota. Saindo de Denver no Colorado percorremos 631km para o norte por entre paisagens magníficas.

Devil’s Tower, Wyoming – Foto S.Carter/NPS

Ao longe avista-se um gigante solitário escurecido pelas sombras… aos poucos vai-se delineando uma formação rochosa imensa e, naquele momento, esverdeada de 386m. Mais perto aquela torre sobre um monte de pedras enormes, já dourada, tem as dobras de saia plissada — alguém ainda se lembra disto?

Devil’s Tower, Wyoming – Copyright©2012 Rainer Brockerhoff

Discute-se, ainda, a origem da Devil’s Tower; o material de rochas ígneas tem 40 milhões de anos, especula-se ser de origem vulcânica.

Para preservá-la a área foi transformada em um parque bem estruturado em 1906. A Devil’s Tower é o primeiro monumento nacional dos Estados Unidos. Uma trilha contorna a torre, podendo-se chegar bem perto e curtir cada faceta de aspecto diferente. Bando de pequenos pássaros prateados volteiam sobre o topo e, no silêncio da tarde, é um momento mágico para se levar dentro da gente!

Devil’s Tower, Wyoming – Copyright©2012 Rainer Brockerhoff

Nem em sonho, nem a mais arrojada fantasia se aproxima da imponência e beleza deste lugar sagrado para os índios. Suas fendas são um constante desafio para os escaladores de todo o mundo.

Ainda tivemos a surpresa de ver a Devil’s Tower, tal qual um camaleão, se colorir de intenso vermelho ao por do sol… deixando-nos suspensos por um fio numa borda invisível…

Devil’s Tower, Wyoming – Copyright©2012 Rainer Brockerhoff

Outono

Paris, França – Copyright©2009 Rainer Brockerhoff
A estação do equilibrista:
entre o verão e o inverno
entre o céu e o inferno.

É o ponto saboroso
entre o pecado e a lei.
Nem escravo nem rei!

Copyright©2019 Maria Brockerhoff

Lanzarote — Montanhas de Fogo

Lanzarote, mais de 140 mil habitantes, capital Arrecife, abrange também três ilhotas: La Graciosa, Isla de Montaña Clara e um refúgio de pássaros na Isla de Alegranza. Os navios de cruzeiro aportam no Puerto Los Mármoles, a 4km do centro da cidade. Lanzarote é a ilha dos vulcões adormecidos onde a lava corria para o mar.

Los Hervideiros, Lanzarote – Copyright©2016 Barni1, Pixabay

A criatividade de César Manrique transformou as lavas vulcânicas em obras de arte como os Jameos del Agua. São buracos num tubo de lava de 6 km, formado há 4000 anos, com a erupção do vulcão La Corona. Há dois pontos onde o teto do tubo sofreu um colapso:

Jameos del Agua, Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

Na parte intacta do tubo, um pequeno lago subterrâneo abriga pequenos caranguejos cegos, os jameitos, encontrados apenas aqui. Jesús Soto projetou o acesso e um auditório na Cueva de los Verdes, que está no mesmo tubo de lava do La Corona, próximo aos Jameos:

Cueva de los Verdes, Lanzarote – autor desconhecido

O salão principal do restaurante subterrâneo Monumento al Campesino, em uma caverna de basalto, é redondo, com luminosidade de uma manhã de verão, muito bem ventilado através de skylights e velas de barco refletoras. Todos os caminhos atravessam as lavas:

Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

Um antigo forte, abrigo de canhões — o Mirador del Rio, norte da ilha — foi transformado por César Manrique, Jesús Soto e o arquiteto Eduardo Cáceres. A natureza, numa brincadeira, tirou do mar um braço de água, tão estreito que é chamado simplesmente de El Rio, separando Lanzarote da ilha La Graciosa. Este mirante é considerado uma das construções mais impressionantes do mundo. Aqueles gênios criaram este ponto de observação a 479 m de altura.

El Rio e La Graciosa, Lanzarote – autor desconhecido.

Todas as palavras e imagens são desbotadas… diante desta ilha. Se, entre todos os lugares especiais desta Terra, tivéssemos que escolher apenas um, não hesitaríamos: voltar a Lanzarote.

Lanzarote

…é uma das 7 Ilhas Canárias, a 100 km da costa oeste africana, onde as garras ambiciosas da colonização espanhola chegaram em 1402. Lanzarote é fascinante! É compreensível a escolha de José Saramago de morar neste paraíso. Uma erupção de dezenas de vulcões novos durou 6 anos — 1730 a 1736 — trazendo à ilha os mais variados relevos, cores e formas.

Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

As casas são brancas, janelas e portas, em geral, verdes ou azuis; os telhados são recurvados para colher as águas da chuva… isto porque não há rios, lagos, nada; nem água potável própria. A água do mar é dessalinizada, havendo aproveitamento do vapor da água para as plantações, inclusive com jardins cheios de palmeiras e cactus cujos frutos são comestíveis. Tudo isso rodeado por uma paisagem lunar.

Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

As hortaliças são protegidas em canteiros semicirculares cercados de pedra vulcânica; a população aproveita tudo da lava/basalto, inclusive como adubo.

Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

O Parque Nacional de Timanfaya é inimaginável. Lá moram os vulcões em crateras aveludadas. As erupções cavaram tubos de lava sob a terra e o genial César Manrique adaptou-os, tornando-os belíssimos e ajardinados. Manrique foi engenheiro, artista, pintor, escultor, arquiteto, visionário e muito mais — além de bonitão.

Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

Manrique foi um ecologista nato e graças às suas idéias avançadas, até hoje, a ilha não permite outdoors, neon, placas, nenhuma dessas pragas do marketing e da propaganda. Em Timanfaya as rochas escaldantes são um espetáculo único: logo abaixo da superfície, o calor é suficiente para assar comida, fazer aparecer, como milagres, fogueiras e geisers do fundo da terra.

Lanzarote – Copyright©2005 Rainer Brockerhoff

Por toda a ilha há esculturas e aproveitamento de espaços planejados e executados pelo grande Manrique. Este visionário — assim como Gaudí — morreu prematuramente, aos 73 anos, num acidente de trânsito. Estes homens grandes, simples e ousados, ainda, sustentam o mundo.

Lecce — Sul da Itália

Na península Salentina, antiga Grécia, entre os mares Adriatico e Ionio, Lecce guarda tesouros em estilo barroco. A Chiesa di Santa Croce, construída entre 1353 e 1695:

Chiesa di Santa Croce, Lecce – Wikimedia

Por aqui, andou o imperador Adriano no século II. Os primeiros habitantes vindos da ilha de Creta. A influência grega conserva-se através de um antigo dialeto griko, ainda vivo. Na Piazza Sant’Oronzo o anfiteatro romano para 25 mil espectadores:

Piazza Sant’Oronzo, Lecce – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Grande porção deste anfiteatro ainda está semi-enterrada sob a praça. Em volta, a riqueza das ruínas…

Piazza Sant’Oronzo, Lecce – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

…da catedral / Duomo…

Piazza del Duomo, Lecce – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

…das esculturas:

Piazza Sant’Oronzo, Lecce – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Descobrimos Lecce no filme Mine Vaganti — Ferzan Özpetek, 2010 — e resolvemos conferir. No filme, apenas uma amostra. Ao vivo, edificações e esculturas na cor enigmática da pietra leccese; uma rocha calcárea maleável com reflexos dourados.

Lecce, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

No enredo de Mine Vaganti há um enterro solene; coincidentemente, agora na Piazza del Duomo presenciamos um outro…

O caffè Leccese gelado leva leite de amêndoas. Na Trattoria di Nonna Tetti um jantar cinque piatti da melhor qualidade. Lecce é um centro agrícola produtor de vinhos e óleo de oliva. Até num canteiro da piazza, uma valente oliveira.

Piazza Sant’Oronzo, Lecce – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

O extremo sul da Itália ainda é, relativamente, pouco divulgado, para a sorte e conservação da cultura e do patrimônio. Lecce está no “fim de linha” do trem da costa sul da Puglia; a conotação aqui é surpreendentemente inversa!

Poema — Jorge de Lima

Também há naus que não chegam
Mesmo sem ter naufragado
Não porque nunca tivessem
Quem as guiasse no mar
Ou não tivessem velame
Ou leme ou âncora ou vento
Ou porque se embebedassem
Ou rotas se despregassem
Mas simplesmente porque
Já estavam podres no tronco
Da árvore de que as tiraram

Ashland, Oregon – Copyright©2006 Rainer Brockerhoff

Vilarejos Italianos — Gerace

Está, merecidamente, incluído na lista dos lugarejos mais belos da Itália: Gerace, no topo, mostra lááá embaixo a Calabria banhada pelo azulíssimo mar Ionio / Jonico. Aliás toda a costa-sul aproveita fartamente o sol, esta matéria-prima de país tropical.

Sul da Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Com, aproximadamente, 3 mil habitantes, Gerace conserva as antiquíssimas e maciças construções de pedra…

Catedral de Gerace, Itália – autor desconhecido

…um curioso detalhe na fachada da catedral…

Catedral de Gerace, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

…o toque romântico da celebração de um casamento, no qual fomos penetras…

Catedral de Gerace, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

…e mais a secular Chiesetta di San Giovanello:

Igrejinha de San Giovanello, Gerace – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Chegamos pouco depois de uma chuva torrencial e a cidadinha nos recebeu de alma lavada. Vinhos cuidadosamente produzidos aqui e acolhedores cafés completam as boas-vindas após a chuva. Para chegar à praça pode-se escolher entre boas pernadas morro acima e o pitoresco trenzinho da mamma.

Gerace, Itália – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

Na costa oeste da Calabria a enigmática Sicilia, logo ali depois do Estreito de Messina. O antigo e polêmico projeto da construção de um viaduto, unindo a ilha ao continente, aquece discussões ruidosas. A obra estimada em €5 bilhões (!) valerá o benefício?

Creative Commons, Wikimedia

De uma outra vez, subimos o monte Etna, na costa leste da Sicília, para um inesquecível mergulho num dos cones secundários do vulcão. Uma “craterinha” calma e receptiva — naquele momento!

Etna, Sicília — Copyright©2004 Rainer Brockerhoff

As lavas decompostas tornam as terras da zona baixa muito férteis, multiplicando as colheitas de olivas, uvas e, principalmente, limões.

Em dezembro de 2018, um Etna forte ilumina e espanta o mundo:

Etna, Sicília – Copyright©2018 Andrea Mirabella

Vilarejos Italianos — Stilo

Encravado no monte Consolino, a 150km de Reggio Calabria, sul da Itália, o elegante mosteiro Cattolica di Stilo:

Cattolica di Stilo, Italia – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

…representa, desde os gregos, a idéia universal da união de crenças quebrada pelo grande cisma da igreja católica em 1054. Aqui, em Stilo, nasceu — 1568 — Tommaso Campanella, dominicano, filósofo, poeta, teólogo; preso e torturado pela inquisição romana por defender avançadas idéias políticas de paz e justiça.

Cattolica di Stilo, Italia – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff

O gracioso mosteiro, em estilo bizantino do século IX, erguido com as pedras de Kaulon, uma colônia grega de 1200 a.C., foi restaurado e conserva partes de preciosos afrescos.

Cattolica di Stilo, Italia – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff
By Marcuscalabresus – Creative Commons

As valiosas ruínas de Stilo nos trazem uma sensação inusitada de atemporalidade…

Cattolica di Stilo, Italia – Copyright©2018 Rainer Brockerhoff