Chapada dos Veadeiros – Goiás

O cerrado é uma caixa de surpresas. O formato da vegetação, as cores das folhas, flores e frutos, os recursos para o máximo aproveitamento do solo e absorção das águas provocam contínuo deslumbramento.

Algumas flores, em caules bem altos e finos, parecem flutuar, as pétalas quase transparentes tem um aspecto mágico; os troncos nodosos, retorcidos, altivos, transmitem força e persistência. Outras hastes eretas, sem nenhuma folha ou ramo, erguem-se duras e na ponta um buquê colorido e gracioso. O tom verde-vivo que brota dos galhos secos é um desafio à imaginação dos pobres moradores das grandes cidades.

Durante o período mais quente do dia um silêncio intrigante nos envolve: não se vê nem se ouve nenhum animal, nenhum pássaro, nenhum inseto. Abrigados, escondidos na sombra das pedras, ocos, ninhos, devem observar a insensatez do bicho humano, o único a enfrentar aquelas horas escaldantes.

O cerrado é belíssimo! Completando-o, a diversidade de cachoeiras, de corredeiras, de poços cristalinos protegidos por imensas e coloridas pedras lustrosas e arredondadas. O prazer só se completa com um mergulho nessas águas frias e límpidas.

Nosso roteiro incluiu os highlights da Chapada; a não ser o tempo muito seco, com a elevação da temperatura nessa semana,  teria sido perfeito.

Ao Parque Nacional dos Veadeiros falta assistência dos órgãos públicos. Os guias fazem milagres, é a enorme boa vontade deles que sustenta o turismo no parque.

De Brasília chega-se a Alto Paraíso e à Vila São Jorge; esta é a antiga sede do garimpo de cristais. A cidadinha de São Jorge parece de brinquedo com pousadas, restaurantes, sebo de livro (quem diria!), lojinhas ao longo de suas ruas sem calçamento. Ainda se mantém deliciosamente pitoresca e acolhedora. A comida boa, o artesanato, a cachacinha, as frutas exóticas e a gentileza da sua gente são os grandes atrativos.

Enriquece uma viagem o encontro com pessoas. Em São Jorge, conversamos com Irineu, um jovem talentoso, improvisador ”jazzístico” conforme ele mesmo se define. Toca à noite em instrumentos improvisados e um prato de bateria fincado num pau, num morrinho na área de camping. A vila é de forasteiros: quem visitou, lá ficou… :-). A “Mundo Dha Lua” atraiu uma gentil visitante israelense, transformando-a em administradora da bem-cuidada pousada.  Na Fazenda Raizama com palcos de rodas de carro de boi para festivais, ouvimos de longe um inigualável soprano. O rapaz da fazenda nos informou, orgulhoso: “é a voz da Maria Carla”! A lendária Maria Callas ficaria contente com o apelido.

O “Bal Bin Laden” é o fazedor de cajados da vila; com cabelos e barba enormes, oferece os bastões decorados com muito bons “causos”.

A Beaga4You prestou excelentes serviços: os guias excelentes e amigáveis, lanches de trilha fartos e variados, os horários e traslados cumpridos rigorosamente. Clarice, a nossa agente, merece os melhores cumprimentos. Recomendamos!

One thought on “Chapada dos Veadeiros – Goiás

  1. Ana Luiza Boaventura de Andrade

    Excelente matéria! Já pensou em publicar um livro com as matérias sobre viagens que você coloca aqui?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *