Um pulo a Portugal (2a. Parte)

Continuando nosso passeio por Portugal, passamos por Cascais, a Cabo Frio dos portugueses; não nos impressionou, já que o litoral brasileiro é inigualável.

Sintra lembra Ouro Preto; tem montanhas, é muito agradável, arborizada, as casas antigas muito bonitas. O Parque da Pena (um tipo de planta) foi cuidado por D. Fernando II, um rei visionário; seus engenheiros de minas pesquisaram, descobriram e cuidaram das nascentes da região, muitas são hoje belos lagos. A vegetação é exuberante. Dentro do parque está o castelo de verão do rei. É uma construção muito interessante que “acompanhou” a natureza, não tendo formas rígidas. O banheiro é bem avançado e moderno para a época. A cozinha é enorme, com panelas de cobre em tamanho gigante. O castelo funcionou até por volta de 1920 com a rainha Amélia, muito dinâmica e progressista.

Mafra, lá está a edificação que José Saramago descreve tão bem no “Memorial do Convento”. Convento, basílica e palácio foram construídos entre 1717 e 1730. São 880 salas, 154 escadas e mais de quatro mil portas e janelas em estilo barroco. Se quiser ver as famosas rendeiras de bilro, passe por Peniche. Em Cabo Carvoeiro há formações calcáreas que formam esculturas naturais.

Óbidos, considerada uma das maravilhas de Portugal, tem muralha na qual se pode contornar a pé; do alto, as ruelas, as lojinhas parecem um presépio. Lá entra-se apenas a pé, aliás é uma idéia que deveria se estender a todas as cidades antigas.

Alcobaça é conhecida pelo grandioso mosteiro. A igreja se destaca pelas dimensões exageradas, com três naves em forma de cruz.

Em Batalha o magnífico mosteiro, ainda em função; externamente, lembra a Sagrada Família de Gaudí. As Capelas Imperfeitas, inacabadas, são riquíssimas. Uma jóia que merece maiores cuidados, é outra das maravilhas de Portugal. Por sorte, assistimos a uma apresentação de cantores em trajes típicos, formando um coral de vozes femininas e masculinas.

Leiria, aqui tivemos notícia de um restaurante cujas refeições duram, pelo menos, cinco horas. A catedral, bem iluminada à noite, domina toda a cidade.

Na região de Ourém, Fátima se transformou em um grande centro turístico e hoteleiro. As desapropriações dos terrenos deixaram milhares de pessoas sem teto e sem indenização. Praticamente tudo na cidade pertence aos padres e às freiras. A basílica e adjacências são isentas de impostos, sendo um fato polêmico para muitos portugueses. Deve-se chegar bem cedo para curtir a praça imensa, a igreja moderna, cujos murais externos impressionam. Muito interessante o setor de reconciliação, com confessionários e padres das mais diversas nacionalidades. Por volta de 9:00 horas o número de peregrinos já é bem grande. Dia 13 de cada mês comemora-se a data das aparições, com multidões acorrendo à basilica.

O caminho até Coimbra é coberto de plantações, principalmente de uva. Há casas muito boas ao longo da rodovia; qualquer pedaço de terra está semeado. São vilas em seguida de outras. Na Universidade de Coimbra tem a Biblioteca Joanina, revestida em ouro, que possui um dos mais belos acervos de livros e manuscritos do mundo. A menos de uma hora fica Aveiro, a “Veneza Portuguesa” e seus doces feitos com ovos.

Mais ao norte, em Mealhada, criam-se leitões e há dezenas de restaurantes que servem a iguaria. Entramos em vários e escolhemos o Restaurante Típico da Bairrada. É muito limpo, mais tranquilo, as senhoras garçonetes usam saias plissadas. O atendimento é cordial e o leitão crocante. Vale a pena a parada.

(continua…)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *