Um pulo a Portugal

É o lugar para viajar sem destino… e bem seguro. Os vilarejos, próximos uns dos outros, tem nomes divertidos: Encarnação, Pedro da Cadeira; Avelãs do Caminho, uma graça de lugar; a cozinha portuguesa é muito boa e na rodovia há “vendinhas” de frutas da época – no caso, deliciosas cerejas – biscoitos típicos, “bolachão” de amendoim, etc..

De Lisboa a Santiago de Compostela (na Espanha) são 500Km – menos do que de Belo Horizonte a Guarapari. A catedral, por si só, vale a visita. No trajeto, há lugares ricos em história, bons restaurantes e, ainda, muito verde.

Primeiro, vamos passear um pouco em Lisboa; o centro, como o de todas cidades antigas, é para andar a pé. Descobrimos o Parque Eduardo VII com refrescante espelho d’àgua e magníficas esculturas de Baltasar Lobo, bem como a famosa “Maternidade” de Fernando Botero. Perto, também, “El Corte Inglés”, o “grande armazém” espanhol, onde se pode comprar os deliciosos amendroados.

Na ponta do parque, a Praça Marquês de Pombal, com canteiros largos, arborizados, com a presença robusta dos grandes portugueses: Herculano, Almeida Garrett e outros. Dali, chega-se ao Rossio, cujo elevador para o Bairro Alto é uma peça de arte. O Marquês de Pombal “aproveitou” o devastador terremoto de 1755 para modernizar Lisboa, saneando a cidade e construindo quarteirãos regulares, com praças e avenidas largas na “Baixa”. Os lampiões, o Arco, as lojinhas antigas, tudo muito agradável e pitoresco, sem tráfego de veículos.

Os bairros Alto e Chiado devem ser percorridos com calma, as casas e prédios são bem conservados e as ruas limpas.

As ruínas do Convento do Carmo, destruído no terremoto, despertam a imaginação e de lá avista-se a interessante geometria dos telhados.

Em Lisboa há um jardim onde se pode deixar as plantas, especialmente bonsai, quando a pessoa viaja. Hotel para plantas! Neste mesmo local a atividade “viver os jardins”, onde a família escolhe um canteiro, semeia flores e ervas, colhendo-as depois. É uma forma de cultivar os laços familiares, pois não?

Obrigatória a visita ao CCB – Centro Cultural de Belém, um edifício moderno com exposições, lojas, teatros e espaços ao ar livre, construído com as mesmas pedras do magnífico vizinho Mosteiro dos Jerônimos. A poucos metros, os pastéis de Belém, os melhores da região, numa pastelaria típica.

No CCB havia uma exposição da emigração portuguesa para a França. Eram quadros vivos, onde os visitantes, dirigidos por três moças, faziam as atividades dos emigrantes: deram-nos baldes para buscar água, para percorrer os obstáculos no caminho; havia colchonetes para dormir ao relento; tínhamos de carregar as malas, armar o tripé para o café, atiçando a fogueira e vestidos de roupas antigas. É uma experiência única. Assim, pode-se vivenciar um milionésimo de um dia do emigrante.

O nosso gentil amigo lisboeta, Pedro Aniceto, levou-nos ao Cristo Redentor português, uma capela com duas altas torres que se unem com o Cristo. Para quem não tem Corcovado foi uma boa idéia.

Imperdível é o Oceanário no Parque das Nações. Um passeio para se fazer sem pressa. São 16 mil peixes dos mais variados e coloridos. As lontras são graciosas e calmas. Tente aproveitar o ritmo do aquário e aproveitará muito em relaxamento. Os ansiosos podem ter dificuldade no início, mas o resultado é compensador.

Indescritível e sério é o trabalho de manutenção do aquário gigante pelos biólogos e pessoal especializado. Mergulhadores distribuem alimentação variada e específica para cada tipo de peixe; o comportamento e saúde de todos os seres vivos são acompanhados rigorosamente.

Neste Parque das Nações há lojas, restaurantes, e o Jardim das Águas. Apesar de descuidado, o projeto deste jardim é sensacional. São aparelhos movidos a água, desde o monjolo até o parafuso de Archimedes (séc. III a.C.). Este é um engenho instigante e atual.

O Museu Calouste Gulbenkian é muito rico e agradável: a arquitetura, as obras de arte, móveis, louças, livraria e CDs. É imperdível.

Os portugueses tem um “arrepio” com os espanhóis, como brasileiros e argentinos. Costumam dizer:

Da Espanha não se espera
bom vento
nem bom casamento.

(continua…)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *