Ilha Norfolk — Austrália

Estas valentes porções de terra cercadas, muitas vezes, por ondas bravias, que  desenham, cortam e cavam-lhe as costas, guardam tesouros e mistérios. Norfolk é uma destas ilhas fascinantes. O vulcão que lhe deu origem espalhou, com gosto por todo o lado, pedras negras dos mais variados tamanhos e formas; o contraste com gramados verdes, muito verdes, se estendendo até as praias de águas cristalinas faz-nos duvidar dos próprios olhos.

As ruínas majestosas e muito bem conservadas das duas penitenciárias, cuja muralha continua intacta, revestem esta parte da ilha de uma aura enigmática; há um silêncio, uma quietude, onde se escutam o vento e as histórias inscritas nas paredes, nas celas, nos corredores estreitos, nas lápides do cemitério. Nos anais do museu o drama do prisioneiro fugitivo das grades, recapturado depois de viver durante 7 anos no oco de uma árvore.

Hoje, em compensação, não há cadeia nem qualquer outro tipo de vigilância. Ninguém tranca a casa nem o carro. No vilarejo com 2000 habitantes, onde a lista telefônica é por apelido, o centro de compras é uma única rua com lojas finas, galerias de arte e modernos restaurantes. Não há semáforo e a carona é o único “transporte público”. Todos se cumprimentam, incluindo os turistas, com o “Norfolk wave”, o polegar positivo! A ilha exporta sementes de palmeiras, fabrica cerveja e chocolate e não usa agrotóxicos.

Norfolk se localiza a leste da Austrália, a menos de duas horas de vôo de Auckland (Nova Zelândia), no Oceano Pacífico; ao sul, o mal-humorado Mar da Tasmânia. Os polinésios viviam aqui antes da chegada do Capitão Cook em 1774. Em meados do século XIX os descendentes do famoso motim “Bounty”, moradores da ilha Pitcairn, já pequena para tanta gente, foram levados para Norfolk… mais histórias para o folclore e cultura…

A rica miscigenação resultou numa linguagem rara: mistura de taitiano e o antigo inglês de Pitcairn. A língua Norfolk está sendo ensinada nas escolas.

Norfolk é inigualável para mergulho em cavernas, abismos e túneis de coral, com infinita variedade de peixes e visibilidade de 20m ou mais. As árvores resistem bravamente aos ventos fortes e daí a estranha e belíssima forma das suas copas. Esta pequena ilha parece manter-se fiel às suas raízes, intocada pelos modismos, plantada nas rochas vulcânicas e protegida pelo oceano-guarda-costa.

Em Norfolk está o barco “Desventura”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *