J. G. De Araújo Jorge

Tudo estranho…

Sim, quantas vezes, por íntimo pudor,
Por orgulho talvez, amor próprio, vaidade,
Escondemos no riso a nossa dor.
……………………………………………………..
— Coisa estranha a felicidade!
— Estranha coisa, o amor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *