Histórias de Viagem: Vermont

Estávamos em Burlington, Vermont, a região das charmosas e românticas pontes cobertas (covered bridges), na costa leste dos Estados Unidos. Naquela agradável tarde de verão, entramos em uma rica livraria, aproveitando a excitante experiência para nós, abaixo do equador, de ter sol azul-alaranjado até mais tarde… demo-nos conta do adiantado da hora quando, já com as portas descidas, o vendedor nos colocou para fora gentilmente.

Fomos procurar um hotel e, logo, soubemos que havia um evento muito concorrido na pacata capital de Vermont, com aproximadamente 40.000 habitantes. Claro, não havia mais acomodações.

Bem, o jeito foi cair na estrada, pois havendo cidadinhas bem próximas umas das outras, iríamos encontrar rapidamente um pouso. Ledo engano! “No Vacancy” ou nem hotel havia. Fomos subindo, subindo a rodovia 36, onde percebíamos no reflexo dos faróis haver água às margens, mas não sabíamos se de rio ou lago. Entre boa prosa, risadas e promessas de reservar hotel na próxima vez (o que nunca fizemos nem antes, nem depois), passamos por vilarejos onde, pelo visto, ninguém pernoita. 🙂

Já passava da meia-noite quando chegamos a um resort, muito bonito, com belos jardins feericamente iluminados, que nos deu alento… durou pouco. A recepcionista, com uma expressão um tanto espantada com aqueles viajantes-fantasmas, ou por causa disso, nos ofereceu café, suco e brownies, juntamente com a informação de que as reservas para o verão eram feitas com “apenas” um ano de antecedência.

Voltamos à estrada, sem placas ou qualquer indicação de destino, e já estávamos dispostos a chegar à fronteira do Canadá, quando surgiu uma luzinha indecisa, dependurada numa placa com algo parecido a “bed&breakfast”, de uma casa no estilão daquela de “Psicose” de Hitchcock; assim nos pareceu, mas tentaríamos ali, pois era madrugada e outras possibilidades de pouso já eram zero.

Batemos à porta. Apareceu um cara simpático e sonolento e, logo, estávamos numa cama grande e confortável.

Sempre acordo mais cedo em viagens, é um grande desperdício dormir. Examinei o quarto grande com uma kitchen completa, boas poltronas pra leitura, um banheirão! Abri, ainda como se sonhando, um cantinho da cortina e fechei imediatamente:
onde fomos parar?

Com a certeza de estar delirando, abri novamente a cortina: um lago azul infinito se estendia a poucos metros da varanda, muitas árvores, um deck de madeira com cadeiras convidativas avançava sobre a água. Corri até o lago antes que desaparecesse… enquanto o marido esfregava os olhos para se certificar daquela aparição.

Na realidade, havíamos aterrisado às margens do belíssimo Lake Champlain, numa pousada com seis apartamentos, conhecida por alguns privilegiados. Ficamos naquele paraíso, administrado nas férias de verão por aquele sonolento e boa-prosa professor universitário, por mais três inesquecíveis dias. Surgiram outros amigos, com os quais caminhamos, tomamos vinho e jantamos à beira do lago.

Até agora, anos depois, a sensação de encantamento ainda nos envolve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *