Um Homem Que Grita…

…é um grito interior, triste, sem esperança, desesperadamente solitário.

O filme retrata a guerra civil no Chade. No país africano paupérrimo, populoso e, claro, o mais corrupto do mundo, os rebeldes se instalaram há 30 anos e, desde então, as novas rebeliões se sucedem. Em 2008, época do filme, o caos continua com multidões buscando saída para os países vizinhos.

O diretor nativo, Mahamat Saleh Haroun, de sensibilidade ímpar, também ferido numa das escaramuças, mostra sem retoques o cotidiano de uma família. É um mundo diferente, mas o drama, as injustiças, as desigualdades, o medo, a busca, as dúvidas, as traições, são comuns e presentes onde houver ser humano.

O filme é silencioso, duro, lento como o sofrimento, sem panos quentes. Deve ser visto.

O momento em que a atriz (ela própria, cantora) entoa um lamento no dialeto é emoção pura. Infelizmente, na platéia, algumas pessoas riem e conversam… estão muito aquém da profundidade do filme. Ou disfarçam o desconforto?

A cena final forte diz tudo, sem uma letra, sobre a inexorabilidade da vida… é uma imagem na retina para sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *