Além do Danúbio — Sérvia

A Sérvia — uma região belíssima — é um exemplo de tenacidade: guerras, ocupações, migrações forçadas não lhe tiraram a força cultural assentada nestes alicerces milenares.

Fortaleza Kalemegdan, Belgrado – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Belgrado é uma cidade moderna, dividida pelos rios Sava e Danúbio. O bairro boêmio Skadarlija pretende rivalizar com o Montmartre de Paris. Curioso o prato típico, Kajmak, leva uma semana de preparação: são camadas empilhadas, uma por dia, de natas de leite com especiarias.

Ainda em Belgrado, esta surpresa:

Belgrado, Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Uma estrada plana corta campos verdes de variadas plantações. Esta infinitude traz uma sensação muito agradável e nos leva a Novi Sad, um importante centro industrial sérvio.

Novi Sad, Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Andar pelo centro antigo, muito arborizado, com ruas para pedestres, a torre colorida da antiga catedral, com o telhado de placas de cerâmica verde-amarelo, nos faz sentir dentro de um cartão postal.

Sremsky Karlovci, de 1553, foi a mais importante diocese ortodoxa do séc. XVII. Na pracinha, temos a sorte de um concerto particular: chega até aqui o som do organista da igreja histórica.

Sremski Karlovci, Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Não muito longe, uma cerveja no restaurante do Dunav Hotel numa curva do Danúbio, claro! O lugar, cheio de flores, construção de madeira e a surpresa da sopa típica diretamente do panelão.

Restaurante Hotel Dunav, Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Krušedol — significa vale das peras —é um importante mosteiro ortodoxo, construído em 50 anos no séc. XVI.

Krušedol, Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Limpíssimo, bem cuidado; encravadas nas paredes, lápides dos patriarcas mais ilustres. O admirável mosteiro, no Parque Nacional Fruška Gora, é uma fonte espiritual de história e de arte.

Krušedol, Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Donji Milanovac fica dentro do maior parque nacional — o Parque Đerdap — com plantas raras e incontáveis espécies de pássaros. Curiosamente, é uma cidadezinha andarilha; fugindo do exército turco, mudou-se em1690 para a ilha Porec; fugindo das enchentes subiu as encostas em 1830. Finalmente, em 1970, deslocada pela grande hidroelétrica “Portões de Ferro”, estabeleceu-se numa curva acentuada do Danúbio, a 180km de Belgrado. Em compensação, hoje é um admirável jardim com 30 mil rosas. Nas proximidades, o importante sítio arqueológico Lepenski Vir, com mais de 8 mil anos.

Em contraste com esta natureza sérvia riquíssima, vê-se do deck do Rousse Prestige uma nota dissonante: às margens, as lembranças do bombardeio da OTAN em 1999.

Sérvia – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Os Portões de Ferro — Sérvia

Danúbio Sérvio cava o maior canion — 134 km! — da Europa, entre os Montes Cárpatos e os Balcãs em direção à Romênia. Esta passagem chega a, apenas, 150m de largura em determinados trechos. É um legado histórico da idade da pedra, do império romano e de ocupações recentes.

Mosteiro Mraconia, Danúbio – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Neste trecho do Danúbio, de Golubac (Голубац) até Negotin (Неготин), a correnteza muito forte, os redemoinhos, as corredores e enormes pedras submersas eram um tormento para os navegantes.

Portão de Ferro, Danúbio – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Desde Tiberius, 33 d.C., Trajano, 103 d.C. até 1834, houve frustrados projetos e tentativas para superar os obstáculos nesta travessia. Finalmente, em 1964, o megaprojeto das hidroelétricas “Portões de Ferro/Iron Gates”, entre Romênia e Iugoslávia, iniciou a construção de barragens e eclusas. O Danúbio foi transformado em um gigantesco reservatório: meio rio, meio lago.

Portão de Ferro, Danúbio – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Para os navios, não há mais impedimentos, mas tal interferência trouxe amargos resultados para a população ribeirinha, fauna e flora:

  • a imediata interrupção da rota de reprodução para uma espécie de salmão;
  • a bela ilha turca Ada Kaleh afundou-se para sempre, com sua mesquita e o mosteiro franciscano;
  • a parte antiga de Orșova, a cidade romena, foi inundada;
  • a má distribuição das águas prejudica os países rio abaixo, tornando o delta, em certas épocas do ano, intransitável pelo nível baixo.

Fato histórico relevante é o massacre em Kragujevac (Крагујевац), a primeira capital, o maior centro educacional da Sérvia. Aqui, em outubro de 1941, adolescentes e professores do ginásio foram executados em massa, ainda que a população não tivesse participado de qualquer ataque aos servidores de Hitler. O acervo do Parque Memorial de Šumarice e as impressionantes esculturas são uma homenagem viva às vítimas e um veemente ALERTA!

Voltando à beleza presente da paisagem, as ruínas e o marco da ousada Ponte de Trajano. Aí, do lado romeno, a face de Decébalo esculpida recentemente.

Portão de Ferro, Danúbio – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff

Hoje, esta é uma rota de prazeres ao ar livre bem aproveitada por ciclistas, pescadores, veleiros… as vilas hospitaleiras servem rica culinária, fruto da influência secular de outros povos.

Portão de Ferro, Danúbio – Copyright©2015 Rainer Brockerhoff