Halloween… no Brasil

É intrigante acompanhar o avanço de certos movimentos vindos de fora.

Halloween — de “hallow”, termo antigo para “santo” — significa “Véspera dos Santos”, era uma celebração, na Irlanda, do fim das colheitas e da aproximação do inverno, desde os tempos medievais. Em países de língua portuguesa, Halloween passou a significar “Dia das Bruxas”.

A igreja de Roma comemorava o todos-os-santos em maio, a partir de 609 d.C. O papa Gregório III, no século VIII, mudou a comemoração para primeiro de novembro, com o suposto objetivo de esvaziar as festividades pagãs.
Enquanto os “pagãos” celebravam o Samhain alegremente com fogueiras, cantos, danças, rituais celtas de fertilidade e fartura de alimentos… …a igreja pregava abstinência, a peregrinação e o arrependimento. 🙂

Já em 1593, Shakespeare mencionava o Hallowmas, quando as crianças pobres iam de porta em porta, recolhendo os bolos dedicados às almas… um jeito — bem inglês! — de aplacar a consciência.

Um pregador africano explica o uso de fantasias e disfarces macabros no Halloween: esta era a última noite para as almas vagarem pela terra, assim todos se fantasiavam e usavam máscaras para escapar da vingança dos mortos.

A grande fome — Great Famine, 1845 a 1849 — dizimou e expulsou milhões de pessoas da Irlanda; um tanto destes emigrou para os Estados Unidos; a família Kennedy, por exemplo, é de origem irlandesa. Lá, os irlandeses continuaram a celebrar a véspera de todos-os-santos em suas comunidades. Somente a partir da década de 1920 a festa se espalhou, coincidindo com a colheita das morangas, mais fáceis de esculpir do que os nabos usados pelos irlandeses.

A origem de comemorações folclóricas é, além de controversa, muito rica em histórias e conjecturas. Em cada lugar, cada povo vai-lhe acrescentando o tempero dos próprios valores, usos e costumes. Nos Estados Unidos, ultimamente, os jovens se embebedam e os resultados, claro, passam longe da alegria original. O excesso de doces ingeridos pelas crianças tem gerado, atualmente, problemas muito sérios.

No Brasil, tem-se propagado o tal do Halloween nas academias, nos colégios, nas festas no final de outubro… qual o sentido disto? Assinalar a data em escolas de inglês pode se justificar, mas cá de fora? Nosso folclore tem motivos de sobra para comemoração: Saci Pererê, Mula-sem-cabeça, Bumba-meu-boi, a Catira Mineira, etc. etc. Nossas crianças certamente não sabem, nunca viram uma Congada ou uma Folia de Reis. É uma tradição belíssima, enriquecedora, com o ritmo contagiante de guizos amarrados nas canelas dos cantadores e tocadores. As festas vivenciadas e cultivadas aqui nesta terra podem ser mais interessantes, mais expressivas do que qualquer Halloween importado.

O importante é a força da tradição que o Halloween ou qualquer outra festa folclórica traz em si. Simplesmente importar modismo, copiar figurino, repetir refrão empobrecem qualquer manifestação, porque estará desconectada de significado cultural ou dos costumes de um povo.

Carta Aberta ao Sr. Kalil – Atlético Mineiro

Sr. Kalil,

ouvi falar muito do Sr. nestes últimos dias. Foi deveras impressionante e cheguei a sonhar com um concerto oferecido pelo Sr. aos torcedores.

Sim, senhor. Minas Gerais tem renomadas orquestras sinfônica e filarmônica, tem a sinfônica da Polícia Militar, excelentes pianistas, violonistas e outros exímios instrumentistas.

O espetáculo musical do sonho foi uma homenagem cultural aos jogadores e a todos os torcedores mineiros que se deliciaram com as músicas de excelente qualidade. Muitas crianças, muitos idosos tiveram oportunidade — talvez a primeira — de ver os incríveis instrumentos de uma orquestra. Todos tiveram a sensação especial proporcionada por este tipo de entretenimento: a vivência de uma genuína alegria e encantamento. Mas, não se assuste, foi um sonho apenas. A realidade é bem outra!

Nesta situação, o senhor parece-me uma pessoa muito importante; é capaz de mobilizar centenas de milhares de pessoas, levá-las à rua, acompanhadas de contínuos foguetórios e buzinaços. Muita, muita gente permaneceu em frente à sede do clube por intermináveis horas. Algumas anunciavam, com a voz já enrolada, a volta ao trabalho apenas na segunda-feira seguinte à vitoria do Atlético. Para a maioria, o mais significativo e importante momento de suas vidas.

De quarta a domingo, a massa enlouquecida grita, chora, se embriaga… as famílias se unem “no grito, na raça” dando às crianças o exemplo de uma comemoração. Ainda na quinta-feira, até o começo da tarde, uma multidão, de onde exalava forte cheiro de bebida e xixi, atrapalhava a passagem de veículos e ônibus lotados. As pessoas chegariam atrasadas aos hospitais, às lojas, ao aeroporto, às igrejas, aos escritórios. Porém, tal comemoração não comporta queixas, pois é de máxima importância para um país tão bonito, cujo índice de violência, de analfabetismo, de corrupção é altíssimo! É a justa manifestação da alegria de um povo acostumado a engolir qualquer desaforo, qualquer desmando dos poderosos da vez.

Sr. Kalil, agora certamente pensou em um presente à altura da paixão dos torcedores e um presente sempre revela muito do doador: nesta quinta-feira, 1 de agosto, em um gesto generoso, tal qual um imperador romano, o senhor manda fechar a principal via da cidade de Belo (!) Horizonte e lavar com rios de cerveja o restinho da dignidade dos cidadãos.

Antigamente era pão e circo. Hoje é cerveja e futebol.

Vida Maria

A força e a responsabilidade da influência das mães:

Urge uma mudança de script, de rota, de destino!

A moça da Academia…

…a roupa de ginástica branca colante, o top bem decotado realça os seios fartos e o bronzeado; a risada alta, os dentes clareados, a boca carnuda… sente-se a dona do pedaço.

Com gestos amplos e requebros atrai os professores à sua volta e todos os olhares do salão.

Dá até gosto observar os volteios, a maquiagem perfeita, a satisfação de reinar ali entre os equipamentos de fortalecer o corpo, absolutamente invisíveis para a morena bonita, de bunda arrebitada.

… a voz — uma pena! — uma oitava acima, desafinada… com um mínimo de percepção ficaria caladinha.

A moça-corpo, acompanhada do personal trainer, finge malhar, disfarça com pesos leves, desfila a malha bem justa; mais gritinhos e, cumprida a pantomima, vai-se…

Copyright©2012 Maria Brockerhoff

A Violência Contra A Mulher

A cada dois minutos, cinco mulheres sofrem violência doméstica no Brasil; é uma situação gravíssima da qual não se discute uma das principais causas, aliás nem é mesmo admitida:

SÃO AS MÃES AS EDUCADORAS DOS FUTUROS MARIDOS AGRESSIVOS.

Esta lição é diária e subliminarmente ensinada quando:

  • é do rapaz a chance de ir à faculdade se os recursos financeiros são insuficientes para cobrir as despesas da filha e do filho;
  • é da menina a obrigação de lavar as roupas e/ou esquentar a comida do irmão;
  • as mães, já desde cedo, preparam o enxoval de noiva das filhas;
  • o grande sonho inculcado nas meninas é o de um feliz casamento, com um “bom partido” ($$$);
  • o Papai Noel traz para as meninas bonecas, panelinhas, maquiagem; para os meninos, aviões, carrinhos, aparelhos eletrônicos que já exigem deles tirocínio e exercício motor;
  • as meninas usam, desde bebê, brincos, lacinhos, roupas de fru-fru, incômodos sapatinhos duros e já com saltos, meias-calças colantes, apetrechos “lindos” mas impeditivos de uma boa corrida ou alegres brincadeiras. Isto é o treinamento precursor para que as moças se submetam às tiranias da moda e às mais insanas dietas e cirurgias plásticas;
  • quando a litania do “ruim com ele, pior sem ele” é despejada na orelha das meninas sob as mais variadas formas;
  • a gravidez é o golpe seguro para a realização de um casamento ou a possibilidade de polpuda pensão.

Não é preciso enumerar mais toda a diferença da criação entre meninos e meninas; contudo, tais costumes e métodos levam à internalização da submissão feminina, trazendo, mais tarde, a aceitação passiva da violência física e/ou psicológica por parte dos maridos, companheiros e namorados.

É uma questão polêmica e muito grave, porque acobertada pela sociedade conivente e hipócrita, principalmente quando o número de mulheres que retiram as queixas contra os parceiros violentos tem aumentado consideravelmente. Fazendo assim, as mulheres ensinam a mais terrível das lições:

AOS FILHOS, O PODER ILIMITADO DOS HOMENS;
ÀS FILHAS, O CAMINHO, SEM SAÍDA, DA HUMILHANTE DEPENDÊNCIA.

Ponto de Vista

Bert Hellinger, psicanalista alemão, tem a mágica da síntese.

Do livro “Liberados somos concluídos” (Ed. Atman 2006, trad. Rainer Brockerhoff):

Os pequenos presentes unem, os grandes, separam.

Sem esperança se tem tudo.

Muitas vezes a boa solução é difícil, pois nos faz perder a importância.

Esquecer completa.

A morte nunca chega cedo demais.

Ponto de vista

O dinheiro pode comprar um cão excepcional;
não compra o aceno da sua cauda.
Josh Billings

Ponto de Vista

…somente os transgressores transformam o mundo.

Copyright©2010 Maria Brockerhoff