Príncipe Harry — Inglaterra x Costa Rica

Caiu um príncipe
no buraco fundo
da copa do mundo.
O elegante rapaz
atraiu muita gente
batedores, holofote.
Teve brilho fugaz
o nobre filhote.
Cercado de menina
de mídia cretina
certamente o pobre Harry
trocaria a própria sina
— do pé à medula —
pela alegria simples
do moleque gandula…

Copyright©2014 Maria Brockerhoff

Carta Aberta ao Sr. Kalil – Atlético Mineiro

Sr. Kalil,

ouvi falar muito do Sr. nestes últimos dias. Foi deveras impressionante e cheguei a sonhar com um concerto oferecido pelo Sr. aos torcedores.

Sim, senhor. Minas Gerais tem renomadas orquestras sinfônica e filarmônica, tem a sinfônica da Polícia Militar, excelentes pianistas, violonistas e outros exímios instrumentistas.

O espetáculo musical do sonho foi uma homenagem cultural aos jogadores e a todos os torcedores mineiros que se deliciaram com as músicas de excelente qualidade. Muitas crianças, muitos idosos tiveram oportunidade — talvez a primeira — de ver os incríveis instrumentos de uma orquestra. Todos tiveram a sensação especial proporcionada por este tipo de entretenimento: a vivência de uma genuína alegria e encantamento. Mas, não se assuste, foi um sonho apenas. A realidade é bem outra!

Nesta situação, o senhor parece-me uma pessoa muito importante; é capaz de mobilizar centenas de milhares de pessoas, levá-las à rua, acompanhadas de contínuos foguetórios e buzinaços. Muita, muita gente permaneceu em frente à sede do clube por intermináveis horas. Algumas anunciavam, com a voz já enrolada, a volta ao trabalho apenas na segunda-feira seguinte à vitoria do Atlético. Para a maioria, o mais significativo e importante momento de suas vidas.

De quarta a domingo, a massa enlouquecida grita, chora, se embriaga… as famílias se unem “no grito, na raça” dando às crianças o exemplo de uma comemoração. Ainda na quinta-feira, até o começo da tarde, uma multidão, de onde exalava forte cheiro de bebida e xixi, atrapalhava a passagem de veículos e ônibus lotados. As pessoas chegariam atrasadas aos hospitais, às lojas, ao aeroporto, às igrejas, aos escritórios. Porém, tal comemoração não comporta queixas, pois é de máxima importância para um país tão bonito, cujo índice de violência, de analfabetismo, de corrupção é altíssimo! É a justa manifestação da alegria de um povo acostumado a engolir qualquer desaforo, qualquer desmando dos poderosos da vez.

Sr. Kalil, agora certamente pensou em um presente à altura da paixão dos torcedores e um presente sempre revela muito do doador: nesta quinta-feira, 1 de agosto, em um gesto generoso, tal qual um imperador romano, o senhor manda fechar a principal via da cidade de Belo (!) Horizonte e lavar com rios de cerveja o restinho da dignidade dos cidadãos.

Antigamente era pão e circo. Hoje é cerveja e futebol.

Futebol e foguetório

“Nunca antes neste país” se viu tanta falta de civilidade, tanta “quebra de decoro” em todos os níveis, em todas as profissões, em todas as faixas etárias, em todos os graus de escolaridade!

Os índices de violência, de analfabetismo, de pobreza, de corrupção são negados, sistematicamente, pelas altas esferas governamentais; desconsideram a validade de TODAS as pesquisas, onde se aponta qualquer aspecto negativo “deste país”. Ao invés de verificar as causas, os fundamentos da pesquisa, claro, o desgoverno “deste país” prefere ignorar ou negar os FATOS. Essa omissão gera reflexos e resultados indesejados em todas as áreas.

Um exemplo disto é a exacerbação da selvageria dos foguetórios e buzinaços neste domingo — 10 de novembro de 2013 — como em centenas de outras ocasiões. Não há limites para a conduta inqualificável, grosseira, de grupos de vândalos, muitos de bairros nobres, classe AA, da capital mineira. Isto, também, é uma forma de violência.

O foguetório — com bombas cada vez mais fortes — começa bem cedo e continua noite adentro. Estes grupos dominam, decidem, fazem a baderna, a gritaria, a desordem, o barulho ensurdecedor AONDE, QUANDO E COMO querem e a grande massa dos cidadãos (existe esta categoria “neste país”?) apesar de profundamente indignada continua engolindo sapos, lagartos e bombardeios.

Recorrer a quem? Quem terá a independência necessária para estampar na folha de capa de jornais e revistas estes abusos e persistir até a solução? Onde estão a lei, o ministério público, os representantes políticos do povo, a decência e o convívio minimamente civilizado?

O único meio, ainda, é o jornal, a imprensa. Sem a força da mídia a conduta abusiva e a barbárie vão continuar campeando IMPUNEMENTE.

Quousque tandem abutere, baderneiros, patientia nostra?

Nas cavernas, as estalactites e estalagmites são formadas paulatinamente, gota a gota… é o mesmo processo  da formação cultural: a permissividade, a falta de limites na educação, a inércia da comunidade, vão transformando estes excessos em costume, em “cultura”. As crianças seguirão o triste exemplo. Por aqui, tudo se justifica, tudo é “assim mesmo”. Já é “cultural” o jeito brasileiro do mais-ou-menos… infelizmente.

O povo brasileiro tem muitas qualidade, sim; por isso é preciso cultivá-las e incentivá-las… esta baderna sistematizada, certamente, não é o caminho. A celebração é legítima, o exagero não!